A Arábia Saudita, o país árabe com mais casos de coronavírus no Médio Oriente, iniciou esta quinta-feira a primeira fase do levantamento de restrições para combater a epidemia, no mesmo dia em que ultrapassou os 80.000 infetados.

Após quatro dias de recolher obrigatório total, os sauditas puderam esta quinta-feira sair às ruas entre as 6h e as 15h, período durante o qual também puderam deslocar-se entre as várias províncias do reino em carro particular.

O governo saudita anunciou na terça-feira o plano de fim de confinamento em três fases, a segunda das quais começa no domingo com um recolher obrigatório ainda mais reduzido (das 20h às 6h), o regresso de algumas atividades económicas e comerciais e o recomeço dos voos nacionais.

O Ministério da Saúde do reino anunciou esta quinta-feira que o país registou 1.644 novos casos de coronavírus, o que faz aumentar para 80.185 o total de infetados. O número de mortos devido à Covid-19 é de 441.

O início da terceira e última fase do fim do confinamento está previsto para 21 de junho, quando as autoridades esperam que todas as regiões voltem praticamente à situação prévia à do recolher obrigatório, à exceção de Meca, que tem sido um dos focos da infeção no reino.

A agência noticiosa saudita SPA indicou esta quinta-feira que várias mesquitas do reino iniciaram os processos de desinfeção e limpeza para que possam receber os fiéis a partir de domingo.

As orações de sexta-feira, o dia santo muçulmano, passarão a poder ser feitas nas mesquitas na segunda fase do fim do confinamento, com exceção da de Meca.

As autoridades suspenderam no final de fevereiro a “peregrinação menor” a Meca, que se realiza durante o ano inteiro, e desde março estão suspensas as orações públicas nas cidades sagradas de Meca e Medina, mas não suspenderam oficialmente o hajj, a grande peregrinação anual, prevista para finais de julho.

A pandemia de Covid-19, transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro em Wuhan (China), já provocou mais de 355.000 mortos e infetou mais de 5,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço da agência France-Presse.