Com 4.468 mortes por Covid-19, a Suécia era, à data da semana que terminou no dia 2 de junho, o país com o maior número de mortes per capita do mundo. Esta quarta-feira, em declarações a uma rádio sueca, o epidemiologista chefe que foi o arquiteto da estratégia sueca de não fechar serviços nem comércio mostrou-se arrependido por não ter decretado mão mais pesada sobre a pandemia. “É agora óbvio que podíamos ter feito mais do que fizemos”, disse, admitindo que o número de mortes em função da dimensão populacional da Suécia é demasiado elevado. “Absolutamente”, admitiu.

Anders Tegnell, que chegou a criticar outros países pela medidas restritivas de confinamento que estavam a levar a cabo, por entender que parar o país não era sustentável a longo prazo, admite agora que podia haver “melhorias potenciais” na estratégia sueca para conter o surto.

A verdade é que a Suécia é o país do mundo com a taxa de mortes per capita mais elevada, pelo menos segundo dados relativos aos últimos sete dias (até 2 de junho), recolhidos pelo jornal britânico The Guardian, que cita dados científicos publicados pelo Ourworlindata.com. A taxa na Suécia era nessa semana de 5,29 mortes diárias por cada milhão de pessoas, enquanto no Reino Unido, por exemplo, um dos países com maior número de mortes em termos absolutos, a taxa era de 4,48.

Até aqui, a estratégia da Suécia foi de manter as lojas, restaurantes e ginásios abertos durante todo o período do pico da pandemia, pedindo apenas às pessoas para evitarem viajar, se não fosse mesmo necessário, e para evitarem sair à rua de forma desnecessária, se fossem idosos ou doentes. De resto, o governo sueco limitou-se a proibir ajuntamentos de mais de 50 pessoas e fechou apenas as escolas para os maiores de 16 anos. A estratégia foi particularmente desastrosa no que aos idosos diz respeito, no sentido em que quase metade das mortes neste país registaram-se nesta faixa etária, e na sua maioria, em lares de idosos.

O plano, contudo, foi globalmente aceite pela maioria dos suecos, apesar de contrastar fortemente com a estratégia adotada pelos restantes países da Europa e nomeadamente pelos vizinhos nórdicos.

Na Noruega, por exemplo, que adotou medidas coercivas mais pesadas, morreram apenas 45 pessoas por milhão de habitantes, enquanto esse número sobe drasticamente para 449 pessoas por milhão de habitantes no caso da Suécia. Na Dinamarca, morreram 100 por cada milhão, e na Finlândia 58. Ainda assim, este número é mais baixo do que a meta fixada nos países europeus que se tornaram o epicentro do vírus: em Itália morreram 555 pessoas por cada milhão, em Espanha 581 e no Reino Unido 593, segundo dados citados pelo Guardian.

Apesar de admitir que podia ter feito mais, Anders Tegnell afirma à rádio sueca que não é claro o que é que, exatamente, podia ter sido feito diferente, ou se as restrições que adotaram deviam ter sido adotadas em simultâneo em vez de “passo a passo”. “Houve países que começaram com medidas pesadas logo de uma vez. O problema dessa estratégia é que não dá para saber qual das medidas tomadas foi mais eficaz”, disse, afirmando que o governo sueco está a tirar conclusões sobre o “o que mais podíamos ter feito, que não fizemos, sem impor o confinamento total de uma vez”.

A resposta estará algures no meio. “Se começássemos agora de novo, sabendo o que sabemos hoje, acho que iríamos tomar medidas algures entre o que fizemos e o que o resto do mundo fez”, disse em declarações aquela rádio. “Seria bom saber exatamente o que fechar para travar o contágio”, acrescentou.

*artigo retificado com a precisão temporal (semana de 2 de junho) no primeiro parágrafo.