Na última sexta-feira, Miley Cyrus usou o Twitter para se dirigir a líder do Governo espanhol, Pedro Sánchez, à semelhança do que também fez com o primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte e com os líderes holandês e da Irlanda. No apelo da cantora de 27 anos constava o envolvimento dos espanhóis no movimento Black Lives Matter, com origem nos Estados Unidos.

“Temos de continuar juntos no combate à Covid-19 e o impacto desproporcional que tem nas comunidades marginalizadas, especialmente nas comunidades de cor. Por favor, junte-se a nós, primeiro-ministro”, escreveu, identificado a conta oficial de Sánchez nesta rede social.

Pedro Sánchez respondeu-lhe horas depois, já na manhã de sábado. “Espanha está entre os líderes de iniciativas como o ACT-Accelerator para garantir um acesso equitativo a vacinas, tratamentos e meios de diagnóstico para combater a Covid-19. O nosso compromisso é forte, Miley. União e uma resposta multilateral é o único caminho para não deixar ninguém para trás”, respondeu o líder do Governo espanhol.

A diplomacia online ficou por aqui, pelo menos por enquanto, com a resposta de Sánchez a tornar-se viral numa questão de minutos. A internet não hesitou em assinalar a troca de mensagens com uma torrente de memes e montagens. As mais comuns são mesmo as que insinuam que Cyrus e Sánchez poderiam formar uma dupla musical. Eis alguns exemplos:

À semelhança de outros artistas, a cantora norte-americana faz parte do movimento internacional Global Citizen, que tem intercedido junto de vários líderes europeus para que estes assegurem o acesso a tratamentos médicos, no contexto da atual pandemia, de forma igualitária a toda a população.

A 18 de abril, o mesmo movimento organizou um concerto solidário, juntamente com a Organização Mundial de Saúde e que, além de Miley Cyrus contou com participações de Lady Gaga, Jennifer Lopez, Rolling Stones e Paul McCartney. Foram angariados 127 milhões de dólares.