A BBC lançou um programa de rescisões voluntárias com o objetivo de poupar 125 milhões de libras (140 milhões de euros) devido ao impacto da crise provocada pela pandemia Covid-19, anunciou esta quarta-feira a emissora pública britânica.

O plano é “um processo necessário para garantir que a BBC possa enfrentar os desafios de um ambiente de comunicação social em rápida mudança”, disse um porta-voz do grupo.

“O impacto da pandemia do coronavírus significa que a BBC precisa economizar 125 milhões de libras (140 milhões de euros) durante o ano fiscal em curso”, que se juntam a outros cortes já planeados, disse a mesma fonte.

A BBC havia anunciado no início do ano um plano separado para cortar 450 postos de trabalho nas suas redações, mas o projeto foi suspenso em março devido à necessidade de cobrir a crise do coronavírus.

O grupo, a maior organização de comunicação social no Reino Unido, cobrindo notícias, desporto e entretenimento em vários canais de TV, rádio e na Internet, emprega mais de 22.000 pessoas, mas não especificou quantos pessoas pretende que saiam.

O atual presidente-executivo da BBC, Tony Hall, vai ser substituído em setembro por Tim Davie, ex-diretor executivo da BBC Studios, o braço comercial do grupo.

A BBC obtém grande parte de seus recursos da taxa de licença de televisão (154,50 libras, ou 178 euros), atualmente paga por 25,8 milhões de famílias, o que garante 3,6 mil milhões de libras (quatro mil milhões de euros).

O governo impôs recentemente a isenção da taxa a partir de agosto para os maiores de 75 anos e recentemente anunciou um estudo para alterar a forma de financiamento da BBC, descriminalizando a falta de pagamento da taxa de televisão.