Concertos, instalações artísticas, performances e uma oficina de serigrafia é o que a Galeria Zé dos Bois (ZDB) programou para julho a convite da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

O habitual programa fora de portas da fundação, “Jardim de Verão”, é desenhado este ano pela ZDB, tendo em conta as qualidades do jardim da Gulbenkian e olhando a “um tempo marcado pelos desafios à fruição artística”, por causa da Covid-19.

A programação decorrerá ao longo de três fins de semana de julho, com concertos no anfiteatro ao ar livre, performances no grande auditório e a apresentação de criações artísticas inéditas. As noites de sexta a domingo terão concertos no anfiteatro ao ar livre, com propostas que “vão da canção à música improvisada e exploratória, do funaná à música erudita”.

Pelo anfiteatro vão passar, por exemplo, a Orquestra Gulbenkian, Norberto Lobo, B Fachada, Julinho da Concertina, Peter Evans e Marco Franco com Joana Gama e Tiago Sousa.

A ZDB propõe ainda performances de Gustavo Sumpta e de Tiago Barbosa, no palco do Grande Auditório e, no jardim, serão reveladas instalações artísticas de Patrícia Portela e Christoph De Boeck, do coletivo Berru e de Paulo Morais. Aos domingos de manhã, haverá uma oficina de serigrafia de máscaras pela Oficina Arara.