O arquiteto paisagista Gonçalo Ribeiro Telles, que completou 98 anos a 25 de maio, é homenageado esta sexta-feira pela Câmara de Lisboa através de uma exposição que marca a reabertura, depois de profundas obras de reabilitação, da Igreja Paroquial de São José e da histórica Casa dos Vinte e Quatro (órgão de administração da capital durante quase 500 anos). A cerimónia decorre a partir das 18h00, na Rua de São José, junto à Avenida da Liberdade, onde se situa a igreja.

Estão anunciadas presenças do primeiro-ministro, do presidente da Câmara, do cardeal-patriarca de Lisboa, de Duarte Pio de Bragança e da presidente da Fundação Calouste Gulbenkian. A família do arquiteto estará representada pelo filho Francisco Ribeiro Telles. Será também rezada uma missa para um máximo de 20 pessoas, devido às medidas de contingência face à covid-19.

A exposição intitula-se O Mester da Paisagem e tem curadoria de Margarida Cancela de Abreu, Teresa Bettencourt da Câmara e António Braga. Faz parte da programação da iniciativa Lisboa Capital Verde Europeia 2020, consistindo numa retrospetiva de projetos emblemáticos criados por Ribeiro Telles, como sejam os jardins da Gulbenkian, a intervenção na Avenida da Liberdade ou o Corredor Verde na capital. Constam também desenhos originais do arquiteto, com esquemas que utilizava para explicar os vários tipos de paisagem aos alunos da Universidade de Évora, onde foi professor, de 1976 a 1992.

Formado em 1950 em agronomia e arquitetura paisagista pelo Instituto Superior de Agronomia de Lisboa, Ribeiro Telles conjugou a atividade profissional com uma intervenção política permanente. Integrou vários governos a partir de 1974, como secretário de Estado de Ambiente e Ministro da Qualidade de Vida, e foi vereador na Câmara Municipal de Lisboa pelo Movimento da Terra (que daria origem em 1993 ao Movimento Partido da Terra). É-lhe atribuído um papel pioneiro nas políticas públicas ambientais. Por exemplo, a criação da Reserva Agrícola Nacional e da Reserva Ecológica Nacional, mas também a Lei de Bases do Ambiente ou o Projeto do Corredor Verde de Lisboa.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.