O presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) defendeu esta quarta-feira que o turismo não pode apoiar a recuperação económica face ao impacto da pandemia da Covid-19, uma vez que está dependente da retoma da mobilidade.

“Sabemos que há duas preocupações nesta crise — a primeira é que esta é a maior que estamos a viver, a segunda é que o turismo não pode ajudar na recuperação. Só vai aparecer mais tarde, quando a mobilidade se recuperar”, considerou Pedro Costa Ferreira, que falava num webinar do Instituto para a Promoção da América Latina e Caraíbas (IPDAL).

Para este responsável, a resposta para a mobilidade tem que ser global, tendo em conta que “não vale a pena recuperar a confiança em Portugal se, [por exemplo], em Cuba não estiver recuperada”.

No entanto, a recuperação está dependente “de uma resposta em termos de saúde pública”, que passa por uma vacina contra a Covid-19 e por terapias.

“O turismo não é distanciamento social é relacionamento social”, vincou o presidente da APAVT, acrescentando que o grande desafio para Portugal é manter a oferta turística e os players do setor vivos.

“É urgente que os apoios a fundo perdido cheguem às empresas. Só isso as vai manter vivas e permitir a recuperação do turismo e da economia”, concluiu.