500kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Carvalhal e um recorde adiado mas que não é uma (A)miragem (a crónica do Marítimo-Rio Ave)

Este artigo tem mais de 2 anos

O Rio Ave precisava de ganhar para cavar vantagem para o Famalicão mas também para chegar ao recorde de pontos numa época. Empatou com o Marítimo graças às defesas de Amir e adiou o dia histórico.

Lucas Piazon, do Rio Ave, teve nos pés a melhor oportunidade da primeira parte
i

Lucas Piazon, do Rio Ave, teve nos pés a melhor oportunidade da primeira parte

LUSA

Lucas Piazon, do Rio Ave, teve nos pés a melhor oportunidade da primeira parte

LUSA

Há cerca de duas semanas, quando o Rio Ave venceu o Sp. Braga em Vila do Conde, Carlos Carvalhal não escondeu que um dos grandes objetivos da temporada dos vilacondenses era bater o recorde de pontos do clube numa temporada na Liga. “Trabalhámos para atingir patamares elevados. Quebrámos barreiras do recorde do Félix Mourinho, virámos com 25, o melhor do Rio Ave eram 28, fizemos hoje 47, o melhor do Rio Ave são 51 e estamos nessa senda. Estamos a jogar de jogo para jogo, a tentar concentrar e vamos ver até onde conseguimos chegar, percebendo que estamos a um pequeno passo de chegar a fazer história”, atirou o treinador. Esta semana, porém, à beira de fazer a tal história, Carvalhal não quis falar sobre o assunto.

“O foco está apenas neste jogo com o Marítimo, porque é o próximo e vale a pontos. Sabemos que vai ser difícil, pois vamos encontrar um treinador adversário [José Gomes] que já orientou o Rio Ave”, disse o técnico na antevisão da visita aos madeirenses. Uma visita que, em caso de vitória, podia então culminar no tal recorde absoluto de pontos do Rio Ave numa única temporada: com os três pontos, os vilacondenses somavam 53, ultrapassando os 51 conquistados há dois anos, em 2017/18, quando era Miguel Cardoso o treinador do clube.

Mas a visita ao Marítimo valia mais do que isso. Em cenário de um resultado positivo, o Rio Ave solidificava o quinto lugar e cavava uns provisórios quatro pontos de vantagem para o Famalicão, aproveitando o empate da equipa de João Pedro Sousa na semana passada contra o Benfica. Além disso, aproximava-se à condição do Sp. Braga, que até ao final do Campeonato ainda tem de jogar com o FC Porto. O desafio, porém, era complicado: o Marítimo é uma das melhores equipas da retoma e nos sete jogos desde o recomeço da competição conquistou os mesmos 13 pontos que nas 12 jornadas anteriores. Com a manutenção já garantida, a equipa de José Gomes apresentava-se esta segunda-feira sem qualquer tipo de pressão e com o objetivo simples de prolongar a série de três vitórias consecutivas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Numa primeira parte com poucas oportunidades de golo mas com várias aproximações perigosas às duas balizas, a principal ocasião acabou por pertencer ao Rio Ave. Lucas Piazon, com um remate muito forte de fora de área, obrigou Amir a uma grande defesa (7′) e ficou perto de abrir o marcador na Madeira. Com o nulo ao intervalo, que acabava por ser o resultado mais justo tendo em conta o equilíbrio disputado entre as duas equipas durante a primeira parte, a outra nota de rodapé dos 45 minutos iniciais ia para a substituição forçada que José Gomes teve de fazer, ainda numa fase muito embrionária da partida, graças à lesão de Correa.

Na segunda parte, Carlos Carvalhal tirou Gelson Dala para lançar Carlos Mané e acabou por ser Filipe Augusto a protagonizar a primeira ocasião de perigo depois do intervalo, com um remate rasteiro na diagonal que voltou a forçar Amir a uma intervenção esforçada (49′). O adiantar do relógio, ainda assim, trouxe um Marítimo mais solto e mais adiantado no terreno, sempre com muita gente no meio-campo adversário e a apostar principalmente na velocidade de Milson, que atravessa uma tarde inspirada. A partir dos 20 minutos finais, o guarda-redes Kieszek respondeu às defesas do homólogo do outro lado e segurou o nulo no marcador em vários lances, onde Rodrigo Pinho foi o principal inconformado.

Nenhuma das equipas conseguiu chegar ao golo da vitória e Marítimo e Rio Ave dividiram um ponto para cada um, com os vilacondenses a adiarem o momento histórico em que chegam à melhor pontuação da história do clube na Primeira Liga — muito graças às defesas do guarda-redes Amir. Do outro lado, e depois de três vitórias seguidas, os madeirenses somaram o quarto jogo consecutivo sem perder e continuam tranquilos na classificação, perto de Boavista, Santa Clara e Gil Vicente.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.