Às 21h30 desta quarta-feira, no Dragão, eram seis os jogadores que se estreavam em Clássicos entre o FC Porto e o Sporting: Loum e Fábio Vieira nos dragões, Eduardo Quaresma, Nuno Mendes, Matheus Nunes e Sporar nos leões. Até ao final do jogo que consagrou o FC Porto como novo campeão nacional, outra mão cheia de jogadores acabou por juntar-se a esse rol. Mas só um fez história.

Danilo, a figura de uma época que foi de dispensado do estágio a super-herói (a crónica do FC Porto-Sporting)

Joelson Fernandes, que entrou já depois do golo de Danilo para o lugar de Jovane Cabral, tornou-se o mais novo de sempre a jogar em Clássicos entre o FC Porto e o Sporting, com apenas 17 anos e quatro meses. O avançado que é internacional Sub-17 por Portugal superou as marcas de Rúben Neves, Serafim, Futre e Fernando Gomes e entrou diretamente na história de um dos jogos míticos do futebol português.

O Sporting perdeu pela primeira vez na retoma e perdeu também pela primeira vez na era Rúben Amorim, sendo que o treinador leonino também sofreu a primeira derrota na Liga, entre Sp. Braga e os leões. A equipa de Alvalade não conseguiu aproveitar o empate dos minhotos com o Belenenses SAD e escorregou no Dragão, ficando com apenas dois pontos de vantagem em relação ao Sp. Braga no terceiro lugar, sendo que ainda há duas jornadas por disputar e uma deslocação à Luz na última jornada.

Mas a derrota desta quarta-feira foi algo mais para o Sporting. Ao perderem com o FC Porto, os leões somaram a 16.ª derrota da temporada, um máximo histórico negativo que acaba por marcar um ano com quatro treinadores, sem qualquer título conquistado e com a ausência de um fio condutor entre o início e o fim da época.

Na flash interview, antes de Rúben Amorim surgir na conferência de imprensa, Emanuel Ferro defendeu que o jogo “foi equilibrado”. “As equipas não fizeram um grande jogo. Algo encaixadas, o que limitou, sempre na procura dos melhores momentos para pressionar. Aconteceu de ambos os lados [foco na defesa]. Na segunda parte, o FC Porto conseguiu desbloquear um bocadinho o jogo com o canto. Tivemos de arriscar, estivemos sempre à procura da vitória. O segundo golo surge quando estávamos mais desequilibrados, numa transição, no entanto a ideia que fica é que o resultado de 2-0 não transparece superioridade do FC Porto”, explicou o adjunto leonino.

“A maturidade é revelada pela qualidade que temos, pela qualidade de cada um dos nossos jogadores que estão a crescer, naturalmente. É diferente jogar com jogadores que já passaram por várias competições internacionais e outros que estão a iniciar agora, mas isso faz parte das equipas, o FC Porto também utilizou alguns jovens. Foi um jogo equilibrado, o FC Porto com a vantagem que teve conseguiu destacar-se. Também tivemos boas oportunidades para marcar, mas a definição acabou por ditar o rumo do jogo”, acrescentou Emanuel Ferro quando questionado sobre a possibilidade de a inexperiência de alguns jogadores do Sporting poder ter influenciado o resultado.

O técnico deixou ainda uma mensagem aos novos campeões nacionais e sublinhou que um título é “sempre merecido”. “Parabéns ao FC Porto. Foi um Campeonato diferente com algumas nuances diferentes. Estamos preparados para os jogos que aí vêm, temos dois jogos importantes e temos de prepará-los da melhor forma. Depois vamos começar a pensar já na próxima época”, terminou.