Dez Nissan eléctricos da Electricidade dos Açores (EDA), em testes na ilha de São Miguel desde Abril, já injectaram na rede cerca de 13,4 MWh, energia equivalente ao consumo médio diário de 15 casas.

O projecto é liderado pela Galp e visa testar o Vehicle-to-Grid (V2G), tecnologia que permite aos veículos eléctricos recarregarem as suas baterias com a energia fornecida pela rede ou o contrário, isto é, descarregar a energia que armazenam no acumulador para fornecer energia à rede eléctrica. Esta bidireccionalidade do fluxo de energia é vantajosa para ambas as partes, mas especialmente para o proprietário de um veículo eléctrico que, assim, pode poupar na ‘conta da luz’ e ainda usufruir de “receita associada à prestação de serviços à rede eléctrica”, refere a Galp. A mesma nota ainda que a implementação desta tecnologia potencia uma maior penetração das energias renováveis se os utilizadores dos veículos eléctricos procederem à recarga da bateria à noite, período em que não só a energia é mais barata como habitualmente há excedentes de energia eólica que, assim, seriam aproveitados. Durante o dia, especialmente durante os picos da procura, quando a electricidade é mais escassa e por isso mais cara, os utilizadores de veículos a bateria serão convidados a vender energia à rede, ganhando dinheiro no processo. Simultaneamente, evitam-se os apagões na rede eléctrica, que acontecem quando o consumo supera a produção de energia.

A tecnologia existe, mas nenhum dos benefícios que aporta pode vir a ser explorado em “massa” enquanto a lei não for adaptada à nova realidade dos veículos eléctricos. E, segundo a Galp, este é um dos principais objectivos dos testes que estão a ser levados a cabo nos Açores: “contribuir para a criação de um enquadramento legal que permita passar de uma fase piloto para uma fase de mercado num curto espaço de tempo, abrindo assim portas a novos modelos de negócio e novas abordagens para o mercado eléctrico nacional”.

Nissan, EDA, Nuvve, Magnum Cap, Direcção-Geral de Energia e Geologia, Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos e o Governo dos Açores, através da Direção Regional de Energia dos Açores, são parceiros deste piloto que, de acordo com a Galp, “é o primeiro a ocorrer em Portugal com uma escala de nível europeu”. Recorde-se que no arquipélago da Madeira, especificamente em Porto Santo, a Renault está envolvida no projecto de transformar a ilha numa Smart Fossil Free Island, desiderato que também passa por testar a carga bidireccional.