Novos estudos científicos reforçam a ideia de que as pessoas que levaram a vacina da BCG (contra a bactéria que provoca a tuberculose) podem apresentar uma doença menos grave no caso de infeção com o SARS-CoV-2, noticiou o Diário de Notícias. Um deles foi publicado na revista Vaccines, o outro na Cell Reports Medicine.

A equipa israelita analisou 55 países, incluindo Portugal, para perceber se havia alguma associação entre a administração da vacina da BCG e um melhor prognóstico dos doentes com Covid-19. Para os investigadores, a vacinação contra a tuberculose, sobretudo aquela que aconteceu há menos tempo (logo entre os mais jovens), parece “contribuir para atenuar a propagação e severidade da pandemia de Covid-19”, conforme publicaram na Vaccines.

Pode a BCG, a vacina contra a tuberculose, ajudar no combate ao coronavírus?

Além disso, os investigadores da Universidade Hebraica de Jerusalém verificaram que os países onde a cobertura da vacina era maior tinham resultados mais positivos no controlo da doença e levantaram a hipótese — ainda por estudar — de que se trate de um efeito global ao nível da população do país.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Tal como o estudo israelita, os trabalhos de investigação que têm sido divulgados olham para o passado, comparando quem foi vacinado ou não e qual foi o resultado da infeção com o coronavírus. Em curso estão também ensaios clínicos que pretendem estudar, especificamente, se a vacina da BCG pode contribuir para a prevenção de situações graves em doentes com Covid-19. Para isso, terá de se comparar a vacinação com BCG e com outra vacina (ou placebo) para se perceber se a vacina da tuberculose apresenta realmente vantagens.

“Se não houver ensaios clínicos, não há novos medicamentos”

Uma das características reconhecida na vacina da BCG é que estimula o sistema imunitário inato que confere uma resposta não específica. Ou seja, estimula a produção de células imunes que combatem os agentes estranhos no organismo, mesmo que não tenham sido desenhadas especificamente para atacar o SARS-CoV-2 ou outros vírus.

Investigação vai estudar efeitos da BCG no absentismo dos profissionais de saúde nos PALOP

Esta resposta aumentada do sistema imunitário poderia, no entanto, causar mais danos que benefícios em doentes com Covid-19. Mais uma vez, uma equipa de investigadores olhou para o passado, para dois grupos de voluntários saudáveis: uns que tinham recebido a vacina nos últimos cinco anos e outros que não tinham.

A primeira conclusão da equipa holandesa é que a vacina da BCG “não está associada a um aumento da incidência dos sintomas durante o surto de Covid-19 na Holanda”. Por outro lado, os dados sugerem mesmo que esta vacina “pode estar associada a uma diminuição da incidência da doença durante a pandemia de Covid-19 e a uma menor incidência de fadiga extrema”, conforme publicaram na Cell Reports Medicine.

Ambos os grupos se mostram satisfeitos com os resultados, sem descartar, no entanto, a necessidade de fazer mais estudos para perceber se a vacina da BCG reduz a incidência e/ou gravidade da infeção com o novo coronavírus.