Afinal, Phil Hogan, o comissário europeu para o Comércio, vai abandonar o cargo, na sequência de um jantar que juntou a elite política e violou as regras sanitárias da Covid-19 impostas à população.

“Esta noite apresentei a minha demissão como comissário europeu para o Comércio à presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen”, anunciou, numa declaração oficial divulgada pelo executivo comunitário. “Estava a tornar-se cada vez mais claro que a controvérsia relativa à minha recente visita à Irlanda estava a ser uma distração do meu trabalho como comissário europeu e iria afetar o meu papel nas peças-chave que se seguiriam”, acrescentou.

Phil Hogan tinha resistido, numa primeira fase, à demissão. Num comunicado divulgado esta semana, quis desculpar-se “totalmente e sem reservas” por ter comparecido ao jantar da sociedade de golfe Oireachtas, mas deixou, na altura, a certeza de que não se demitiria do cargo na Comissão Europeia.

No fim de semana, o primeiro-ministro irlandês, Micheál Martin, anunciou que iria convocar o Parlamento para discutir a alegada violação das regras sanitárias. A primeira baixa, logo na sexta-feira, já tinha sido do ministro da Agricultura, que também presente no encontro. A imprensa irlandesa escreve agora que o comissário deverá apresentar a demissão.

Em causa está um jantar com mais de 80 pessoas promovido na Irlanda, na quarta-feira, dia 19, por uma sociedade de golfe. As novas regras no país preveem que os ajuntamentos em espaços fechados apenas possam incluir até seis pessoas (antes da nova regra, que entrou em vigor um dia antes do jantar, eram 50) e até 15 em espaços abertos (antes eram 200). As exceções são os serviços religiosos. O jantar juntou 10 pessoas em cada mesa, com os convidados a ser distribuídos por salas de 50 pessoas.

O primeiro-ministro, Micheál Martin, já tinha criticado a presença de Hogan no jantar e disse não querer “influenciar ou interferir” com a decisão da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em manter ou não Hogan no cargo (como Hogan é um comissário europeu, o governo irlandês não tem o poder de o demitir de forma unilateral).

Comissário irlandês recusa demissão depois de violar regras da Covid num jantar do clube de golf

O itinerário de Phil Hogan na Irlanda também está a levantar dúvidas. Isto porque não terá cumprido os 14 dias de isolamento profilático quando chegou ao país (ao contrário do que preveem as regras na Irlanda), o que contraria informação dada por uma porta-voz da Comissão, que tinha garantido que Hogan ficara duas semanas em isolamento.

Von der Leyen aceita demissão de comissário

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse esta quarta-feira aceitar a demissão de Phil Hogan. A reação surgiu minutos depois do comissário ter tornado a sua decisão pública.

“O comissário europeu Phil Hogan apresentou a sua demissão. Respeito a sua decisão”, informou Ursula von der Leyen numa declaração divulgada esta quarta-feira à noite em Bruxelas.