Depois de a pandemia ter adiado milhares de casamentos, no próximo ano espera-se um “boom matrimonial”, nas palavras do diretor da Exponoivos, António Brito, em declarações ao Correio da Manhã. Entre maio e setembro do próximo ano poderão realizar mais de 50 mil casamentos.

Quase metade dos casamentos previstos para os segundo e terceiro trimestres deste ano foram adiados para 2021. Segundo o CM, isso significa que 17 mil casamentos ficaram por realizar por causa da Covid-19. “Houve quem adiasse para o último trimestre ou realizasse o matrimónio na data prevista, com menos de metade dos convidados, mas, de facto, a esmagadora maioria optou por adiar para o próximo ano, na esperança de que a festa possa ter a dimensão e o esplendor que os noivos desejam”, disse o diretor da Exponoivos ao Correio da Manhã.

Assim sendo, no próximo ano, aos 35 mil casamentos que se realizam, em média, por ano em Portugal, juntam-se os 17 mil que foram cancelados em 2020. O total será de cerca de 52 mil casamentos — mais de 100 mil noivos. Dos 35 mil casamentos, 12 mil são pela Igreja Católica, mas em 2021 o número de bodas religiosas não deve ultrapassar os seis mil, adianta o CM.

Noivas de máscara, bodas adiadas e profissionais a fazer contas à vida. Nem os casamentos escapam à pandemia