Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Depois de marcar presença nas ruas do Porto, Lisboa, Faro, Aveiro ou Guimarães, na sequência do anúncio das medidas de confinamento aos fins-de-semana a partir das 13 horas, o coletivo que reúne profissionais do comércio, cultura, hotelaria, restauração e animação noturna volta a sair à rua na próxima quarta-feira, dia 25 de novembro, em frente à Assembleia da República.

“Este ano, a data de 25 de novembro está carregada de um simbolismo acrescido, uma vez que se trata do dia limite para o pagamento de impostos ao estado, numa altura de claro desespero e incerteza em que os empresários e colaboradores de vários setores se encontram”, explica o movimento em comunicado.

Garrafas arremessadas, caixões a arder e o “ato de desespero” dos empresários. A manifestação do Porto em imagens

O movimento “Sobreviver a Pão e Água” considera que a atual situação do país “atingiu o limite da sobrevivência dos negócios e dos postos de trabalho, após vários meses de encargos, sem perspectivas de futuro, sem apoios e sem diálogo”. Para reverter este cenário e atenuar as “enormes dificuldades” sentidas pelo setor, os profissionais exigem a adoção imediata do conjunto de medidas já apresentadas anteriormente, tais como a atribuição de apoios a fundo perdido, aos restaurantes, bares, discotecas, organizadores de eventos, músicos, atores, produtores, entre outros, pela redução de horário, bem como, a todos os seus fornecedores diretos e indiretos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No mesmo comunicado, o coletivo salienta que é “apolítico, de âmbito nacional, positivo e aberto a todos os que estão a sofrer com medidas desmedidas, desproporcionais e injustas, e que de variadíssimas formas estão a ser fortemente afetados pela situação atual, em virtude do regime do novo estado de emergência”.