Foi a segunda manifestação no espaço de uma semana no Porto e, desta vez, contou com mais de mil pessoas na Avenida dos Aliados. Além da restauração, empresários de bares, comércio e hotelaria protestaram contra as medidas restritivas impostas pelo Governo para travar a pandemia de Covid-19. A tarde, no entanto, foi marcada por alguns momentos de maior tensão, com os manifestantes a arremessarem garrafas contra agentes da PSP. Não houve, no entanto, detenções. Pelo meio, queimaram-se caixões para simbolizar, de acordo com os empresários, a morte do setor, o que também obrigou à intervenção policial.

À Lusa, agentes da PSP explicaram que os confrontos começaram quando os manifestantes tentavam apagar as chamas de um caixão que se encontrava a arder junto à estátua de Almeida Garrett, na Praça General Humberto Delgado. Em circunstâncias em que nem agentes da PSP ouvidos pela Lusa conseguem clarificar, num momento em que a polícia se aproximou dos manifestantes, estes começaram a arremessar garrafas e pedras contra os agentes e contra uma carrinha policial que se encontrava do lado direito do edifício da Câmara do Porto (no sentido descendente da Avenida dos Aliados).

Porto. Confrontos em protesto de empresários da restauração

Os momentos de maior tensão levaram a um reforço de policiamento na Avenida dos Aliados, tendo sido chamadas mais quatro equipas de intervenção policial, cada uma com cerca de cinco elementos. Os ânimos acabaram por se acalmar, ainda antes da chegada do reforço policial. No entanto, a SIC Notícias avança que um dos manifestantes terá sido identificado pelas autoridades.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mais tarde, e com um ambiente mais calmo, o porta-voz do movimento “A Pão e Água” disse à agência Lusa que os desacatos são o reflexo do “desespero” em que os empresários da restauração, bares e comércio se encontram. “Isto [desacatos] é o exemplo claro do estado de desespero em que as pessoas se encontram neste momento”, afirmou Miguel Camões, porta-voz do movimento “A Pão e Água” e presidente da Associação de Bares e Discotecas da Movida do Porto. Segundo Miguel Camões, os desacatos refletem “o estado de desespero” daqueles que depois de “tantos meses em espírito de sacrifício”, não tem “pão para pôr na mesa”.

Também Alberto Cabral, representante do setor de animação noturna e um dos dinamizadores deste protesto, defendeu a mesma ideia ao Observador, referindo que se tratou de um ato de “desespero de um ser humano por estar oito meses impedido de sustentar as suas famílias”. Este empresário de um dos setores mais afetados pela pandemia e que ainda não conseguiu abrir portas, explica ainda que é necessário apoios à sobrevivência dos empresários do setor.

Não falamos de apoios imediatos para a retoma do setor, porque sabemos que é impossível, mas sim apoios à sobrevivência. Estamos há 8 meses em casa, impedidos de sustentar as nossas família, impedidos de trabalhar e sem uma resposta do Governo, sem uma porta que se abra às conversações, para saber qual é o nosso futuro. Estamos completamente perdidos, provavelmente mais perdidos que o Governo”, acrescenta.

“O que está a acontecer é um atentado à restauração e a outros setores”

Ao início da tarde, por volta das 16h, o cenário era mais calmo. Nas escadarias da Câmara Municipal do Porto não faltavam faixas de protesto, com mensagens para o Governo e a demonstrar o descontentamento do setor: “Costa: faz outra proposta”, “Estão a matar quem não tem Covid”, “Take-Iva-Away” ou “Nove meses para nascer, nove meses para morrer”.

Munidos de frigideiras, colheres de pau, panelas e outros utensílios, os empresários consideram que as medidas de apoio anunciadas pelo Governo são “insuficientes”. Entre os manifestantes presentes na Avenida dos Aliados está Joel Coelho, proprietário de uma pizzaria em Baltar, no concelho de Paredes. Marcou presença na manifestação de segunda-feira e esta sexta faz o mesmo porque, diz, “o que está a acontecer é um atentado à restauração e outros setores”. As medidas e restrições impostas pelo Governo, acrescenta o pizzaiolo, vieram provocar uma quebra significativa no negócio e uma das grandes lutas é “pelo menos ter a possibilidade de fazer o take away, como aconteceu na primeira vaga”.

“Em agosto até estávamos a começar a funcionar bem. Depois aconteceu novamente isto. As novas medidas que quiseram implementar fizeram com que os clientes deixassem de vir. Numa sala de 60 pessoas começam a vir duas, três pessoa e é muito ingrato para nós. Tenho fotografias da minha sala, na hora em que deveria estar a trabalhar, vazia. É muito complicado”, explica Joel Coelho ao Observador.

Já Nuno Pinto, empresário com negócios ligados à restauração, noite e outros eventos, não poupa nas críticas. “O que tem que existir é igualdade. Se há um problema de saúde pública tem que se atacar por todos os lados. Não podem é estar uns a responder por todos e os outros continuarem como se nada se passa”, refere ao Observador, relembrando que no início da pandemia, “ainda antes de o Governo ter determinado o confinamento, todas as casas noturnas do Porto fecharam exatamente para não haver contaminação”.

Começa a haver fome. Se há um problema nacional, a solidariedade tem de ser com quem está com problemas. O Estado tem de garantir, no mínimo, a sobrevivência das pessoas. As pessoas estão revoltadas. Muitos perderam os empregos e os bens materiais. Quem tem responsabilidade no Estado tem que atacar isto e tem que resolver o problema das pessoas. Há gente com problemas gravíssimos”, alerta ainda Nuno Pinto.

Rui Moreira chegou aos Aliados, pegou no megafone e alertou: situação do setor é “dramática”

Pouco tempo depois do início da manifestação, Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto, saiu do edifício da autarquia para marcar presença nos protestos. Nesse momento, foi também convidado a falar ao megafone para as mais de mil pessoas presentes na Avenida dos Aliados. E começou por dizer que a situação no setor da restauração e similares é “completamente dramática” e que são “necessários mais apoios”, considerando que antes de março ou abril “dificilmente as circunstâncias voltam ao normal”.

Aquilo que se passa neste setor é uma situação completamente dramática, estamos a falar de dezenas de milhares de postos de trabalho perdidos ou em vias de ser perdidos, medidas de financiamento que foram dadas a pequenas empresas que não resolvem nada, apenas adiam o problema”, afirmou Rui Moreira.

“Depende muito de quanto tempo esta situação vai demorar, mas se nós razoavelmente fizermos a previsão que, antes de março ou abril as dificilmente as circunstâncias voltam ao normal, acho que são precisos mais apoios”, referiu, defendendo que “desta vez” o apoio deve ter por base a faturação e realidade das empresas.

“Tem de ser financiamento direto às empresas, um pouco como, alias, na quinta-feira já foi anunciado pelo primeiro-ministro. Tem de ser em função daquilo que era a faturação das empresas e a realidade das empresas”, disse o independente Rui Moreira. E acrescentou: “Quando me dizem que isto não se aplica a empresas que têm dividas à segurança social, peço desculpa estas empresas têm dividas à segurança social porque tiveram de pagar ao pessoal. Diria que aqui tem de ser empresas que em março e abril estavam em dia com a sua segurança social e impostos”.

Questionado sobre os apoios por parte da autarquia, Rui Moreira disse que a mesma já tinha anunciado a isenção de taxas e licenças até ao final do próximo ano. “Estamos a pensar em fim de 2021 da isenção de taxas e licenças. Também tivemos durante muito tempo a isenção total de pagamento aqueles que são inquilinos municipais, neste momento, está a 50% e admitimos passar a 100% se for caso disto”, revelou.

Já sobre a questão do dever de recolher obrigatório, Rui Moreira não se quis pronunciar, dizendo apenas que a autarquia tentou “sempre fazer o contrário”. “Depois das medidas tomadas, manda quem pode, obedece quem deve. Da parte da cidade, tentamos sempre fazer o contrário, alargar os horários naquilo que nos era permitido”, afirmou.

António Costa condena arremesso de garrafas e pede serenidade

O primeiro-ministro considerou “legítima” a manifestação, mas condenou o arremesso de garrafas e deixou um apelo à serenidade. António Costa assumiu esta posição em declarações à RTP, momentos antes de entrar no Teatro da Trindade, em Lisboa.

É evidente que há muitas pessoas a sofrer muito. As pessoas que vão ter de ficar em casa vão sofrer. E há setores como o da hotelaria, a restauração, o comércio, que vão sofrer particularmente”, declarou o primeiro-ministro.

António Costa frisou depois que essa manifestação foi “legítima, mas o arremesso de garrafas nunca é legítimo”. “É preciso que as pessoas serenem. E façamos este esforço, porque é um esforço para bem de todos”, sustentou.