O Partido Unido dos Reformados e Pensionistas (PURP) solicitou esta sexta-feira ao governo um “cabal” esclarecimento sobre a polémica relativa a uma proposta de plano de vacinação contra a Covid-19, segundo a qual os mais idosos não teriam prioridade.

De acordo com um comunicado esta sexta-feira divulgado, o PURP solicitou ao primeiro-ministro, António Costa, e à ministra da Saúde, Marta Temido, que esclareçam, “cabal e inequivocamente, esta situação, de forma a que todos os idosos tenham acesso à vacinação no mais curto espaço de tempo”.

Em causa está a polémica em torno de uma proposta de especialistas da Direção-Geral da Saúde, noticiada esta sexta-feira nos jornais, segundo a qual os mais idosos não seriam prioritários na vacinação contra a Covid-19, ideia essa que já foi rejeitada pelo primeiro-ministro, António Costa, e pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Opondo-se “veemente a todas as medidas que coloquem os idosos, neste caso concreto, omo última prioridade na vacinação”, o PURP insistiu na necessidade de vacinação de todos os cidadãos residentes em território nacional, criticando o governo pela falta de vacinas no caso da gripe. 

O partido sublinhou ainda que o “documento meramente técnico é elaborado por alguém que trabalha para a DGS e como tal, pago com o dinheiro de todos os portugueses que contribuem para o Estado Português”, aditando que quem o elaborou “não é conhecedor da realidade nacional, não estando assim apto para desempenhar as funções para as quais foi contratado”. 

No briefing do Conselho de Ministros desta sexta-feira, a ministra de Estado e da Presidência explicou que as notícias desta sexta-feira sobre o plano de vacinação contra a Covid-19 são baseadas em parcelas de um documento técnico e desatualizado, referindo que o processo de decisão “continuará nos próximos dias”, culminando na decisão política.

Em reação às notícias esta sexta-feira veiculadas, o coordenador da task force criada pelo Governo para definir todo o plano de vacinação contra a Covid-19, Francisco Ramos, explicou esta sexta-feira à Lusa que a proposta apresentada pela DGS “não tem qualquer limite de idade para as pessoas internadas em lares”.

O primeiro-ministro já tinha rejeitado esta sexta-feira a possibilidade de todos os maiores de 75 anos sem doenças graves não terem acesso prioritário às vacinas contra a Covid-19, alegando que “há critérios técnicos que nunca poderão ser aceites pelos responsáveis políticos”.

Entretanto, também o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou “uma ideia tonta” a proposta para que os mais idosos não sejam prioritários na vacinação contra a Covid-19, sublinhando que ainda “não há plano nenhum aprovado”.

Nas eleições legislativas realizadas a outubro de 2019, o PURP obteve um resultado de 0,22%, o equivalente a 11.491 votos.