Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Portugal vai receber cerca de 22 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 de seis fabricantes, as primeiras vão chegar em janeiro. A informação foi avançada pelo comentador Luís Marques Mendes que, no espaço de domingo na SIC, revelou alguns detalhes sobre o plano de vacinação que será apresentado em breve. O processo de vacinação será gratuito e pode arrancar em janeiro, mas deverá prolongar-se até ao verão.

De acordo com a informação que diz ter recolhido junto das entidades responsáveis, a vacina da Pfizer será a primeira a chegar, a seguir virá a da Moderna. Estes são os processos mais avançados, mas ainda precisam da autorização da agência europeia do medicamento, a EMA que já está a avaliar algumas destas vacinas. As doses previstas para Portugal resultam dos contratos assinados entre a Comissão Europeia e várias farmacêuticas e vão ser entregues faseadamente.

  • Pfizer: 4,5 milhões
  • Astra Zeneca: 6,9 milhões
  • Johnson & Johnson – Jansen: 4,5 milhões
  • Moderna: 1,9 milhões
  • Curevac: 4 milhões

A maioria destas vacinas exige duas doses, a segunda administrada três a quatro semanas depois da primeira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Marques Mendes garantiu ainda que os idosos são um dos grupos que terá prioridade no acesso à vacina. No entanto, quando questionado sobre documentos de trabalho que excluíam pessoas acima dos 75 anos, o comentador não deu a certeza, apesar de justificar esta prioridade com a preocupação de reduzir a pressão sobre os hospitais e os cuidados intensivos.

A par dos idosos, serão considerados prioritários os residentes em lares, profissionais de lares, profissionais de saúde, forças de segurança e agentes da proteção civil.

A campanha será gerida pelo Serviço Nacional de Saúde e as vacinas começarão por ser dadas nos centros de saúde, tendo também admitido que sejam usados pavilhões de campanha. Algumas destas vacinas exigem temperaturas muito baixas e está previsto um armazenamento central único cuja localização, diz Marques Mendes, não será conhecida. Haverá ainda armazéns regionais nas seis administrações regionais de saúde e nas ilhas.