O ministro da Economia, Siza Vieira, admite criar um novo apoio para rendas comerciais, mas ainda não concretiza a medida. “O Governo está a ponderar a forma como pode fazer este apoio às rendas e às despesas que as empresas têm com as rendas”, disse Siza Vieira numa conferência de imprensa transmitida pela RTP3, após um encontro com a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal.

Segundo Siza Vieira, a confederação pediu ao Governo um apoio a fundo perdido para “que as empresas possam apoiar um custo fixo muito importante, que são as rendas comerciais”. E depois de lembrar que “houve muitas iniciativas no âmbito da discussão orçamental relativamente à redução — à interferência — nos contratos de rendas”, o ministro disse deixar a porta aberta a essas ajudas. Não quis, no entanto, anunciar que medidas são essas porque ainda têm de ser discutidas em Conselho de Ministros.

Em relação ao programa Apoiar.pt, que tem previstos 750 milhões de euros a fundo perdido para micro e pequenas empresas de comércio, restauração, cultura e outros setores fortemente afetados pela queda na procura, o ministro deu conta de uma “adesão muito significativa” das empresas, adiantando que, até esta manhã, havia 30.288 candidaturas.

Governo tem 750 milhões para subsídios a micro e pequenas empresas e mais 800 milhões para empréstimos

Estas empresas que já pediram ajuda vão receber um total de 298 milhões de euros, perto de 40% do dinheiro disponível neste programa. “Desta empresas, mais de 100 milhões de euros são de empresas do setor da Restauração”. “Esperamos começar a pagar no final da próxima semana ou no início da outra”, disse Siza Vieira.

Após a reunião com o ministro, o presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, João Vieira Lopes, avisou que as medidas de apoio à economia deveriam ter “capacidade efetiva”, chegar rapidamente às empresas e com menos burocracia. Em declarações aos jornalistas, citadas pela agência Lusa, João Vieira Lopes admitiu que algumas áreas que precisam de ser melhoradas. “Gasta-se o dinheiro e a sua eficácia é muito limitada — foi a mensagem que viemos transmitir”, disse o presidente da CCP.