O presidente do PSD, Rui Rio, está a receber críticas dentro e fora do seu partido depois de ter escrito um tweet irónico para se referir a uma sondagem recente e onde acabou por falar sobre a morte Ihor Homenyuk, o cidadão ucraniano que morreu no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, na sequência de agressões sofridas durante uma detenção pelo SEF.

Em causa estava a sondagem do ISCTE e do ICS para o Expresso e para a SIC, onde 49% dos inquiridos deram a atuação do Governo como “muito boa” e onde o PS surge com 39% das intenções de votos, dois pontos percentuais acima da sondagem anterior. Rui Rio reagiu com ironia, deixando implícita a sua opinião de que aqueles números são implausíveis. “É mais do que evidente que, face aos últimos acontecimentos políticos, o Governo e o PS só podiam estar a subir”, disse, para depois fazer uma menção ao caso de Ihor Homenyuk: “Mais uma morte no aeroporto e ‘a coisa’ vai à maioria absoluta. Força nisso!”. No final, Rui Rio juntou ainda um emoji festivo.

tweet foi publicado às 20h16 desta quinta-feira e desde então tem merecido críticas, que têm surgido tanto de dentro do PSD como de fora do partido chefiado por Rui Rio.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Dentro do PSD, as críticas surgem de militantes que já noutras alturas deixaram claras as suas diferenças e discordâncias com o atual líder do partido. Entre eles está Hugo Soares, que liderou a bancada parlamentar do PSD entre 2017 e 2018, saindo pouco depois da eleição de Rui Rio para presidente do partido.

“Portugal merece mais”, escreveu no Facebook, num post fechado para amigos. “Já não bastava a irresponsabilidade política do MAI [ministro da Administração Interna] e do PM]… agora a falta de sentido de Estado do presidente do meu partido.”

Ainda dentro do PSD, e também pertencendo ao grupo dos insatisfeitos com a atual liderança, está outra militante de peso: Teresa Morais, que já foi vice-presidente do partido, além de ter sido secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares no primeiro mandato de Pedro Passos Coelho e, no segundo e breve governo liderado pelo menos governante, foi ministra da Cultura, Igualdade e Cidadania.

“Esperei um desmentido, uma explicação, o reconhecimento de um deslize… Mas não. Há dias em que preciso de repetir baixinho o que me disse em tempos uma brilhante militante do meu partido: ‘Eles passam… nós ficamos!'”, escreveu a ex-ministra no Facebook.

Esperei um desmentido, uma explicação, o reconhecimento de um deslize… Mas não. Há dias em que preciso de repetir…

Posted by Teresa Morais on Friday, December 18, 2020

Também nas redes sociais, mas já fora do PSD, houve mais vozes a criticar Rui Rio. No Twitter, o deputado do PS e recém-eleito líder da Juventude Socialista, Miguel Costa Matos, criticou abertamente o social-democrata no Twitter.

“Que ligeireza repugnante a forma como Rui Rio se refere ao assassinato de Ihor Homenyuk. Infelizmente é só mais uma declaração, a juntar-se a Portugal não sofre de racismo, etc. Etc. Quando é que as pessoas decentes no PSD tiram as devidas consequências? Tem de haver um limite!”, escreveu.

Também a partir do PS, mas de forma mais telegráfica, reagiu Tiago Barbosa Ribeiro, deputado na Assembleia da República. Primeiro, escreveu: “Que indignidade de tweet”.

Horas depois, Tiago Barbosa Ribeiro comparou ainda um primeiro tweet de Rui Rio sobre a sondagem publicada no Expresso com um tweet de André Ventura sobre o mesmo tema. Perante os resultados em causa em comparação com a última sondagem (PSD a descer, nos 25%; Chega a manter-se nos 7%), ambos os líderes reagiram ironicamente dizendo: “Que chatice”. Tiago Barbosa Ribeiro apontou a semelhança entre os tweets.