De todas as acções transaccionadas durante 2020 em Wall Street, a Yahoo Finance atribuiu ao título da Tesla o estatuto de acção do ano, sucedendo à Apple, a escolhida em 2019. A distinção, em parte, fica a dever-se ao facto de o índice Down Jones ter subido 5% num ano particularmente complexo devido à Covid-19, para o que muito contribuiu a Tesla ter disparado 45%.

De acordo com o CEO da Gerber Kawasaki, Ross Gerber, muitos investidores acreditaram nos modelos, nas acções e no homem por detrás da Tesla. Ajudou igualmente o facto de a marca não ser há muito um construtor exclusivamente concentrado no mercado norte-americano, uma vez que o peso da China é cada vez maior, podendo mesmo ser em breve ultrapassado pelo mercado europeu, quando a Gigafactory Berlim começar a produzir, o que acontecerá já em 2021.

Para Jim Cramer, analista de mercados para a CNBC, e para o The Street, a imensa valorização das acções da marca de Elon Musk deve-se também aos futuros modelos, com o mercado a reagir favoravelmente à introdução para breve da Cibertruck e do Semi, respectivamente a pick-up e o camião eléctrico, veículos pelos quais o mercado revela uma crescente apetência.

Se a 2 de Janeiro de 2020 as acções da Tesla foram transaccionadas a 86,05 dólares o título, a marca atingiu 705,67 dólares no último dia do ano, um crescimento de 820% em 12 meses. No mesmo período, a Apple, que foi considerada o melhor título de 2019, subiu de 75,09 para 139,69$, um bom salto, mas de apenas 186%.