A Apple voltou a fechar temporariamente todas as lojas que tem no Reino Unido, numa altura em que a Inglaterra e a maior parte da Escócia entram novamente em confinamento, reporta a imprensa internacional.

A 20 de dezembro, a gigante tecnológica norte-americana já tinha fechado cerca de meia dúzia de lojas em Londres, mas, de acordo com novas informações avançadas por fontes próximas da Apple, as restantes 18 lojas, que até ao momento tinham permanecido abertas no Reino Unido, estão agora de portas fechadas ao público, devido às novas restrições implementadas naquele território.

Na segunda-feira, tanto o primeiro-ministro britânico Boris Johnson como a primeira-ministra escocesa Nicola Sturgeon anunciaram que ambos os países iriam entrar em novo confinamento, com o encerramento temporário das escolas e do comércio não essencial. Isso obrigou a Apple, entre muitas outras empresas, a encerrar portas enquanto as restrições permanecerem. Em Inglaterra, o período de confinamento deverá durar até meados de fevereiro. Na Escócia, o confinamento deverá vigorar por um período mais curto — até ao final de janeiro.

Ao consultar cada uma das lojas do Reino Unido no site oficial da Apple, verifica-se um aviso: “Estamos temporariamente fechados. Compre online com entrega gratuita e sem contacto. Estamos ansiosos para recebê-lo novamente assim que possível”, lê-se em cada uma das páginas.

Mas este cenário tem vindo a ser generalizado um pouco por todo o mundo já desde o fim de dezembro, com várias Apple Stores encerradas nos Estados Unidos — incluindo todas as lojas da Califórnia (são 53 no total), do Tennessee, do Utah e do Minnesota  —, bem como no Brasil, no México, na Turquia e na Suécia, devido ao aumento do número de casos de Covid-19 nestes países.

“Devido às condições atuais da Covid-19 em algumas das comunidades onde estamos fixados, iremos fechar temporariamente as nossas lojas nessas áreas”, esclareceu na altura a Apple em comunicado. “Damos este passo com muita cautela, enquanto acompanhamos de perto a situação e esperamos ter as nossas equipas e clientes de volta o mais rápido possível.”

Os consumidores que agora desejem comprar produtos Apple são assim aconselhados a fazê-lo online. No caso britânico, como o prazo para o fim do confinamento ainda não está bem definido, também não está prevista a reabertura das lojas.