Portugal registou esta sexta-feira o novo máximo de internamentos e os efeitos já estão a fazer-se sentir. Alguns hospitais da região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT) estão a transferir doentes para hospitais de todo o país. Esta sexta-feira eram esperados 15 doentes Covid nos hospitais do Grande Porto.

O Hospital de São João, no Porto, confirmou ao Observador que ia receber esta sexta-feira nas suas instalações cinco doentes Covid não críticos provenientes do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures. Mas não é o único. O Hospital Fernando Fonseca, também conhecido por Amadora-Sintra, enviou dez doentes para dois hospitais no Grande Porto — cinco foram para o de Santo António e outros cinco para o Hospital de Gaia, revela o Expresso.

De acordo com fonte hospitalar do Amadora-Sintra ouvida pelo Expresso, a decisão é “preventiva, de forma a acautelar o aumento esperado sobre os hospitais da região nos próximos dias”. Aumento esse que também já levou à transferência de outros doentes Covid, no último fim de semana, para outras partes do país. Dez doentes do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central (CHULC) — que integra o Hospital de São José e Curry Cabral — foram transferidos para o Hospital do Algarve e para o Hospital Perô da Covilhã.

Não são apenas hospitais da zona da Grande Lisboa que estão a transferir utentes. Também o Hospital Amato Lusitano (HAL) de Castelo Branco vai receber cinco doentes infetados pelo novo coronavírus da região do Oeste: “Foi-nos pedido para recebermos cinco doentes Covid da região de Lisboa e Vale do Tejo. Tratam-se de doentes, em princípio do Oeste, e que vêm devidamente estabilizados”, anunciou à Agência Lusa a diretora clínica da Unidade Local de Saúde de Castelo Branco (ULSCB), Eugénia André.

Entretanto, outros hospitais preparam-se para receber mais doentes. O Hospital Santa Maria, por exemplo, anunciou que elevou o estado de contingência — devido ao aumento de internamentos Covid e não Covid. A instituição anunciou que vai disponibilizar mais 50 camas para internamento. Para além disso, toda a atividade cirúrgica não urgente fica suspensa — mas o hospital garante que as cirurgias prioritárias e oncológicas mantêm-se como previsto.

O Hospital Garcia de Orta, em Almada, também abriu mais quatro camas de cuidados intensivos e aumentou a capacidade de resposta nesta área para um total de 28 camas, 19 para doentes com Covid-19. Ainda assim, admite a possibilidade de contratualizar mais camas de cuidados intensivos com unidades privadas, “em caso de necessidade adicional e uma vez esgotada a capacidade de articulação regional”.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo, há 1.409 doentes Covid internados, dos quais 195 estão em cuidados intensivos, segundo fonte da ARS LVT. Estes dados correspondem a mais de 40% do total de internados em Portugal, que, nesta sexta-feira, totalizam 3.451. Além disso, a região contabiliza 323 surtos ativos de Covid-19, dos quais 121 estão identificados em lares de idosos, com um total de 3.133 casos confirmados.

Portugal registou esta sexta-feira 10.176 casos de Covid-19 e 118 óbitos resultantes da doença.