Os doentes com Covid-19 que recuperaram da doença têm um nível semelhante de proteção às pessoas que foram vacinadas, concluiu um estudo da Agência de Saúde Pública de Inglaterra (PHE). Durante cinco meses, os investigadores responsáveis acompanharam um grupo de de mais de 20 mil profissionais de saúde de hospitais britânicos, entre os 35 e os 54 anos, que tinham sido infetados pelo menos um vez com o novo coronavírus.

Entre junho e novembro do ano passado, os participantes realizaram com regularidade testes à Covid-19 e aos níveis de anticorpos no sangue, o que permitiu detetar 44 potenciais casos de reinfeção (incluindo 13 casos assintomáticos) entre os 6.614 profissionais que já teriam tido a doença anteriormente e 318 casos entre os 14,173 que nunca tinham mostrado indícios de infeção, explicou o The Guardian. O mesmo jornal esclareceu que as segundas infeções foram tratadas como potenciais casos por ser necessário uma análise genética detalhada para confirmar uma reinfeção.

Estes dados permitiram concluir que uma infeção anterior fornece uma proteção de 94% contra uma reinfeção e de 75% contra uma reinfeção assintomática durante pelo menos 20 semanas.  Susan Hopkins, da PHE, afirmou que a imunidade de uma segunda infeção tem “um efeito semelhante à vacina da Pfizer e um efeito muito melhor do que a vacina da AstraZeneca” e que isso está a “tranquilizar” as pessoas. Na fase de testes, o tratamento desenvolvido pela Pzifer mostrou ter uma eficácia de 95%, um valor muito superior ao da vacina da AztraZeneca e da Universidade de Oxford (62%).

Hopkins classificou os resultados como “boas notícias”, pois significam que uma primeira infeção oferece um nível elevado de proteção contra uma segunda, mas lembrou que a imunidade não é total e os cuidados devem ser mantidos por todos, incluindo por aqueles que já tiveram Covid-19. “Não é uma proteção completa, o que significa que [os doentes recuperados] continuam a precisar de ter cuidado”, alertou a especialista em declarações ao The Guardian.

O estudo da PHE não teve em conta as novas variantes do novo coronavírus, acerca das quais pouco ainda se sabe além de serem altamente contagiosas. Este assunto será analisado mais pormenorizadamente ao longo deste ano pelo organismo, que dará continuidade ao estudo agora revelado.