Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No confinamento geral que começou a 18 de março do ano passado as salas e grupos de teatro não demoraram muito a reagir à ausência de contacto com o público — os registos mostram que menos de uma semana depois já estavam a publicar na internet podcasts e vídeos de espetáculos.

Por isso mesmo não surpreende que neste segundo confinamento, iniciado a 15 de janeiro, os criadores tenham voltado a responder quase de imediato, ainda que façam questão de apontar imperfeições ao formato digital aplicado às artes de palco.

Por estes dias, com as atividades outra vez suspensas devido às medidas de contingência da pandemia, são várias as propostas de teatro e dança disponíveis na web, quase todas de instituições públicas. E com uma diferença em relação ao ano passado: desta vez, alguns espetáculos são pagos. Eis uma seleção.

Teatro Nacional D. Maria II

A “Sala Online” começou a funcionar nesta sexta-feira com Carta, a mais recente criação de Mónica Calle, interpretada por um vasto conjunto de músicas e atrizes. Antes do confinamento o espetáculo chegou a ser apresentado três vezes no palco da sala lisboeta e surge agora online “num registo em alta resolução e multicâmara”, até 12 de fevereiro. Seguem-se Fake, de Inês Barahona e Miguel Fragata (de 5 a 19 de fevereiro). Em ambos os casos, o acesso custa três euros por pessoa, com as entradas a serem vendidas através da plataforma BOL.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Além disso, a partir deste sábado os mais pequenos podem assistir a mais de 20 histórias na “Salinha Online”, com acesso gratuito. E a partir de domingo o YouTube do TNDMII vai difundir aos domingos conversas sobre memórias do teatro, sob o título “Corrente de Transmissão”. A primeira traz os atores José Neves e Carolina Passos Sousa. A realização é de Maria João Guardão.

Teatro Nacional São João

Depois de As Três Irmãs, por Carlos Pimenta, no passado fim de semana, a sala portuense regressou ao online esta sexta-feira: Sons Misteriosos, peça para crianças de Sofia Dias & Vítor Roriz. A transmissão em alta definição acontece entre as 10h00 e a meia-noite, até 5 de fevereiro. Bilhete: dois euros.

Companhia de Dança Contemporânea de Sintra

O espetáculo A Paixão pela Dança, da companhia Ai!aDança, está marcado para este sábado às 19h00 em streaming. “Juntam-se artistas de várias áreas, dando especial destaque aos bailarinos e coreógrafos que vão apresentar música, stand up comedy e muita dança.”

Teatro Municipal São Luiz

Cabaret Repórter X, de André Murraças, peça de teatro musical em forma de cabaret sobre a vida de Reinaldo Ferreira, “o mais famoso jornalista português”, começou e acabou nas vésperas do confinamento, no Teatro Municipal São Luiz. Retomou a carreira na última terça-feira em modo digital e vai continuar: domingo, às 16h00, e ainda de 2 a 7 de fevereiro, às 19h30. Os bilhetes custam três euros e estão na BOL.

[cenas de Cabaret Repórter X:]

Teatro Nacional de São Carlos

A instituição decidiu novamente “redirecionar a atividade para o formato online”. Desta vez, ao contrário do que sucedeu na primeira vaga da pandemia, não recorre apenas aos espetáculos de arquivo, mas também a novos conteúdos. Já este domingo, às 16h00, passa a ópera La Wally, de Alfredo Catalani, com o Coro do Teatro Nacional de São Carlos e a Orquestra Sinfónica Portuguesa. Direção musical de Antonio Pirolli.

Entretanto, numa nota à imprensa, o TNS informou esta semana que “um conjunto de atividades importantes não sofreram qualquer interrupção” com o confinamento: as obras no edifício do teatro prosseguem, com intervenções de limpeza, conservação e requalificação da fachada, substituição do pano de ferro (estrutura que separa o palco da plateia) e conservação e restauro dos estuques pintados e dourados.

Teatro do Bairro

A Trilogia Dramática da Terra Espanhola, de García Lorca, com encenação de António Pires, muda-se para a sala dos espectadores. Para já, são apenas dois segmentos: Yerma (que estaria no Teatro do Bairro, em Lisboa, de 13 de janeiro a 7 de fevereiro) e A Destruição de Sodoma (inicialmente previsto para a Galeria Graça Brandão, de 13 de janeiro a 7 de fevereiro). Ambos em visionamento on demand. Fica a faltar Bodas de Sangue, que se prevê acontecer na sala física do Teatro Municipal São Luiz. São três textos em três palcos, com o mesmo elenco, como se de uma única obra se tratasse. A entrada custa dois euros.

Teatro Mosca

“O Teatro Mosca inicia o ano em força, recusando-se a parar a atividade, e mantém toda a programação”, lia-se há dias num comunicado da companhia. Resultado: em direto do Auditório Municipal António Silva, no Cacém, os espetáculos são transmitidos via streaming em captação multicâmara. Já tinha sido assim no ano passado, com “ótima adesão do publico, acima até do esperado”, segundo Pedro Alves, diretor artístico do Teatro Mosca. Para 13 de fevereiro está previsto um acolhimento: Uma Fina Camada de Gelo, peça inspirada na vida de George Orwell, encenada por Mário Trigo em conjunto com o escritor e dramaturgo Jaime Rocha. Pela companhia Hipérion Projeto Teatral. O bilhete vende-se na Ticketline por sete euros.

Teatro LU.CA

“Confinamos, mas não paramos”, lema do LU.CA – Teatro Luís de Camões, que propõe a 5 e 6 de fevereiro, às 10h30 e às 16h30, respetivamente, Carta Rejeitada, um espetáculo infantil de Crista Alfaiate para maiores de 12. “Parte de cartas escritas por outros, noutros tempos, para repensar temas tão atuais como o feminismo ou a guerra”.

Teatro Municipal do Porto

A mais recente criação da companhia de teatro Estrutura intitula-se F… e vai estar no palco online do TMP entre 25 e 28 de fevereiro. Cátia Pinheiro, Patrícia da Silva e Paula Sá Nogueira “num exercício que atravessa várias ideias de feminismo”. Os bilhetes custam 4,5 euros.