Um quarto dos cidadãos portugueses nunca utiliza a internet em casa ou não tem acesso à rede, resultado apenas superado por romenos e búlgaros, segundo um inquérito europeu divulgado esta sexta-feira.

O Parlómetro de 2020 (o eurobarómetro do Parlamento Europeu) dedica um capítulo à utilização da internet, assinalando que, “a par das preocupações com as finanças e a economia, um dos fatores-chave da pandemia têm sido as alterações nos padrões laborais, com uma grande mudança para o teletrabalho”.

Essa mudança evidenciou a importância do acesso à internet, realça o estudo, indicando que em 4 dos 27 Estados-membros da União Europeia “mais de um em cada quatro” cidadãos “nunca usam a internet em casa ou não têm acesso à internet”.

Os quatro Estados-membros são a Roménia (31%), a Bulgária (28%), Itália e Portugal (ambos 27%). No caso de Portugal, 22% nunca usam e 5% não têm acesso.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Num “webinar” organizado sexta-feira pelo Gabinete do Parlamento Europeu em Portugal para debater os dados do Parlómetro de 2020, o politólogo e analista Pedro Magalhães mostrou-se preocupado com este indicador nacional, realçando o que ele significa no atual contexto de teletrabalho e aulas online, imposto pela pandemia de Covid-19.

Tem um potencial brutalmente inigualitário”, alertou.

A média europeia dos que nunca usam a internet em casa situa-se nos 13% e desce para dois por cento nos que admitem não ter acesso a internet.

Segundo o inquérito, 3 em 4 dos mais de 27 mil cidadãos europeus inquiridos no Parlómetro — entre novembro e dezembro de 2020 — usam a internet em casa diariamente ou quase diariamente, mais cinco pontos percentuais do que em outubro de 2019.

Em 13 Estados-membros, mais de 9 em 10 pessoas usa a internet diariamente ou quase diariamente, uma tabela liderada pela Grécia e a Suécia, com uma taxa de 97 por cento.

Em contraste, menos de 7 em 10 inquiridos fazem uma utilização diária ou quase diária em países como Áustria (69%), Portugal (68%), Hungria (66%), Bulgária (63%), Roménia e Itália (60%).

O Parlómetro refere diferenças na utilização da internet consoante a faixa etária e o nível de educação dos europeus inquiridos, com o grupo 15-24 anos com uma taxa diária ou quase diária de 94% e o grupo 25-39 anos de 92%.

Esta percentagem desce para 84% na faixa etária dos 40-54 anos e para 57% nos que têm mais de 55 anos.

A utilização também difere consoante o nível de educação, sendo mais baixa em quem abandonou a escola entre os 16 e os 19 anos (72%) e aos 15 anos (37%).

Verifica-se ainda uma ligeira diferença entre mulheres e homens, com as primeiras a utilizarem a internet um pouco menos diária ou quase diariamente (74% contra 78% dos homens).

O Parlómetro analisa as perceções e as perspetivas dos cidadãos europeus sobre as suas vidas, os seus países e as instituições comunitárias.