456kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Semana com menor número de casos desde o início do ano. Internados em UCI abaixo dos 800

Este artigo tem mais de 1 ano

Número de novos casos desde domingo é o mais baixo do ano. Número de internados cai pelo oitavo dia consecutivo. À exceção da Madeira número de casos cai para metade na semana.

i

LUSA

LUSA

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Confinamento mais rigoroso e encerramento das escolas começam a dar frutos e Portugal regista esta semana o menor número total de casos desde o início do ano. Foram mais 20.342 novos casos, numa média de 2.906 casos por dia nos últimos sete dias. É preciso recuar até final de outubro para encontrar uma média diária de casos semelhante à que foi registada esta semana. Isto depois de ser excluída a época natalícia, uma vez que as autoridades já assumiram que os números reportados não correspondiam à realidade dada a média de testagem muito inferior ao habitual.

Também o número de mortos volta a descer. Desde a semana de 18 a 24 de janeiro que não havia um número de mortos tão baixo, embora seja ainda alto e se tenha fixado acima dos mil (1.163). Esta semana morreram em Portugal vítimas da Covid-19 menos 513 pessoas que na semana passada e menos 850 que na semana mais mortal no país, entre 25 e 31 de janeiro, quando perderam a vida 2.013 pessoas.

Nas últimas 24 horas morreram 138 pessoas do total de 1.163 desta semana. Destas 138 pessoas 115 tinham mais de 70 anos e 20 tinham entre os 60 e os 69 anos. A pessoa mais nova a morrer, vítima da Covid-19, durante o dia de sábado foi um homem com idade entre os 40 e os 49 anos.

A grande maioria dos mortos registou-se nas faixas etárias mais altas — morreram 115 pessoas com mais de 70 anos a morrer. Entre os 60 e os 69 anos morreram 20 pessoas, das quais 14 eram homens e seis eram mulheres. Entre os 50 e os 59 anos registou-se a morte de um homem e uma mulher.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No número de internados, que tem oscilações mais lentas, a quantidade doentes em unidades de cuidados intensivos baixou a barreira dos 800. A 29 de janeiro os doentes a precisar de cuidados de saúde diferenciados passaram pela primeira vez a barreira dos 800, tendo o número mais alto sido registado a 5 de fevereiro quando estavam internadas 904 pessoas nas várias unidades de cuidados intensivos do país.

A diferença entre as saídas e novas entradas nos cuidados intensivos traduz-se numa redução de 70 pessoas nesses serviços, num total de 795. É a maior diminuição semanal registada nas unidades de cuidados diferenciados. Nas últimas seis semanas esta é a única em que o número de doentes nos cuidados intensivos é inferior à anterior, um número que vinha a aumentar desde o início do ano.

Desde maio que número de internados não descia tantos dias consecutivamente

Este domingo o boletim reporta a sexta queda consecutiva no número de internamentos. É preciso recuar até à semana de 20 a 27 de maio para — quando os internados nos hospitais baixaram durante oito dias consecutivos — para encontrar um período de alívio da pressão nos hospitais tão prolongado.

Desde o início da pandemia que esta é a semana com maior redução de casos ativos, internados, internados em unidades de cuidados intensivos e contactos em vigilância.

Ao longo desta semana recuperaram da doença 59.150 pessoas, com um número de novas infeções mais baixo (e com o número de mortos) o total de casos ativos também voltou a descer esta semana. Em média, por cada dia da semana Portugal conseguiu ter menos 5.710 casos ativos, num total de menos 39.791 casos. Na semana anterior a diminuição tinha sido de 36.533 casos ao longo dos sete dias.

Sob a vigilância das autoridades de saúde estão este domingo menos 48.038 pessoas que no domingo passado. Um total de 139.402 pessoas que são acompanhadas atualmente que é o número mais baixo desde a primeira semana deste ano quando havia 117.210 pessoas sob a vigilância das autoridades sanitárias. O número mais alto foi atingido na última semana de janeiro quando estavam em vigilância 223.991 pessoas em Portugal.

Número de novos casos no boletim desde domingo é o mais baixo desde o início do ano. Os 1.677 novos casos só encontram paralelo durante a quadra natalícia quando o número de testes realizado foi bastante inferior à média. A 26 de dezembro foram confirmados 1.214 novos casos e a 27 1.577. Antes disso é preciso recuar a 20 de outubro (uma terça-feira) para encontrar um número próximo do registado durante o dia de sábado. A 20 de outubro eram 1.876 os novos casos, no boletim deste domingo são 1.677 os registados.

Em relação ao boletim deste domingo, a maior parte dos novos casos foi registada em pessoas com idade entre os 40 e os 69 anos. Dos 1.677 novos casos 42% correspondem a pessoas com idade entre os 40 e os 69 anos. O maior aumento, por faixa etária, em número absoluto encontra-se na casa dos 50 aos 59 anos com 255 novos casos durante todo o dia de sábado.

Logo depois, com 24% do total dos novos casos reportados no boletim deste domingo estão os jovens adultos e adultos com idade entre os 20 e os 39 anos (com 409 novos casos, 209 dos quais em pessoas com idade entre os 20 e os 29 anos.

Com mais de 70 anos foram infetadas 315 pessoas, 18% do total diário, um número ligeiramente superior ao das infeções nas crianças e jovens até aos 19 anos (252 no total de novos casos).

Madeira tem esta semana mais casos do que na pior semana para o país

Ao contrário do que acontece em Portugal Continental e nos Açores, onde todas as regiões tiveram menos de metade dos casos registados na última semana, a Madeira volta a ter esta semana um total de casos superior ao da anterior.

Este aumento verifica-se desde 9 de agosto e, esta semana, volta a bater o número máximo de infeções registadas em apenas uma semana. Foram mais 779 casos esta semana e 710 na semana anterior. Na primeira semana do ano, por exemplo, a Madeira registou mais 242 infeções.

Hospital Nélio Mendonça, que hoje recebeu a visita do presidente do Governo Regional da Madeira, para ver a nova unidade de internamento covid-19 da instituição hospitalar, no Funchal, 28 de janeiro de 2021. HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

Hospitais da Madeira chegaram a receber doentes do continente durante a fase de maior pressão hospitalar

Na semana em que o total nacional foi mais elevado (entre 18 e 24 de janeiro) com mais 86.389 novos casos, a Madeira registava mais 464 novas infeções. Agora, com o número de novos casos semana a ser de 20.342 a Madeira está perto de duplicar o valor da semana mais difícil para o país em janeiro.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.