455kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Número de novos casos em Portugal não era tão baixo há quase cinco meses: 549 contágios e 61 mortes

Este artigo tem mais de 1 ano

É preciso recuar até início de outubro para ter números tão baixos de novos contágios. Mortes descem mas somam mais de 16 mil num ano. Internamento voltam a subir, mas não em cuidados intensivos.

epa09007500 Health personnel conducts a rapid coronavirus test center in the Johannes church in Stuttgart, Germany, 12 February 2021. Countries around the world are taking increased measures to stem the widespread of the SARS-CoV-2 coronavirus which causes the Covid-19 disease.  EPA/RONALD WITTEK
i

Já morreram mais de 16 mil pessoas com Covid-19 em Portugal

RONALD WITTEK/EPA

Já morreram mais de 16 mil pessoas com Covid-19 em Portugal

RONALD WITTEK/EPA

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Pela primeira vez em quase cinco meses, o número de novos casos de Covid-19 diagnosticados num só dia em Portugal ficou esta segunda-feira abaixo de um milhar.

De acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde divulgado esta segunda-feira (com dados referentes a domingo, o que se traduz num valor naturalmente mais baixo do que a média da semana), foram diagnosticados em 24 horas 549 novos casos, o que elevou o total de casos de Covid-19 registados em Portugal desde o início da pandemia para 798.074.

É preciso recuar quase cinco meses, até ao dia 7 de outubro (com 944 novos casos) para encontrar um dia com um número de casos diários abaixo dos 1.000 — e ao dia anterior (6 de outubro com 427 casos) para encontrar um dia com menos casos.

O boletim dá ainda conta de mais 61 vítimas mortais no domingo, o que levou o país a passar a barreira dos 16 mil mortos desde o início da pandemia. Entre março de 2020 e esta segunda-feira morreram 16.023 pessoas na sequência da infeção por Covid-19. É preciso recuar até ao dia 28 de dezembro (com 58 mortes) para encontrar um dia com menos óbitos.

Apesar das estatísticas maioritariamente otimistas, há um indicador que segue em sentido contrário: o dos internamentos. Já no domingo o número de internados nos hospitais portugueses havia subido em 32; esta segunda-feira, o número voltou a subir. São agora 3.322 pessoas internadas, mais 6 do que ontem.

Por outro lado, nas unidades de cuidados intensivos o número de doentes mantém a trajetória negativa: são agora 627, menos 11 do que no domingo. Desde o dia 5 de fevereiro, quando se registou o pico dos internamentos em UCI, houve uma descida de 277 internados em número absoluto, uma queda de 30,6%.

A região de Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a mais afetada pela difusão do coronavírus em Portugal.

Dos 549 casos diagnosticados nas últimas 24 horas, 278 (51%) ocorreram na região da capital, 107 (19%) na região Norte, 48 (9%) no Centro, 33 (6%) no Alentejo, 22 (4%) no Algarve, 56 (10%) na Madeira e 5 (1%) nos Açores.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo registaram-se também mais de metade das mortes (33 das 61), seguido do Centro (15), Norte (8), Alentejo (2), Algarve (2) e Madeira (1).

No que diz respeito à distribuição etária das vítimas mortais, conclui-se que morreu uma pessoa na casa dos 40 anos, duas na casa dos 50, nove na casa dos 60, dez na casa dos 70 e 39 acima dos 80 anos de idade.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.