Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Hoje [Segunda-feira] esteve muito ventoso mas dei tudo e estou mesmo satisfeito com o meu esforço. É a minha primeira prova da temporada e uma boa sensação saber que estou no pódio após duas etapas duras. Estamos em boa posição para a primeira chegada de montanha e vamos continuar assim, levando dia a dia e vendo onde isso nos leva”. O mediatismo à sua volta depois do brilharete no Giro pode ser diferente, a postura de João Almeida continua a ser a mesma: tranquilo, ponderado, humilde, ambicioso. E a olhar de forma confiante para a Volta aos Emirados Árabes Unidos (EAU), sabendo que tem pela frente nomes como Tadej Pogacar, esloveno que ganhou o último Tour e que, aos 22 anos, confirma os sinais deixados na Volta ao Algarve de 2019.

João Almeida sobe à vice-liderança da Volta aos Emirados e ganha camisola verde após sexto lugar no contrarrelógio

Depois de uma primeira etapa ganha por Mathieu van der Poel (que entretanto deixou a corrida tal como a equipa, a Alpecin-Fenix, após ter sido detetado um caso positivo de Covid-19) onde acabou em nono mas ficou no quarto lugar da classificação geral pelas bonificações ganhas nos sprints intermédios, Almeida voltou a estar em destaque no contrarrelógio da segunda etapa, de 13,3km, acabando no sexto posto e subindo a segundo da geral apenas atrás de Pogacar, com cinco segundos de distância. Em paralelo com isso, e além de ter a camisola preta dos sprints intermédios, ficou com a camisola verde dos pontos, à frente de Filippo Ganna e do esloveno. Agora, com uma etapa plana e outra de contrarrelógio, seguia-se a montanha. Menos dura, ainda assim dura.

João Almeida já se mostra depois do Giro: português começa em quarto na geral e fica com camisola preta na Volta aos EAU

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A quinta etapa, na próxima quinta-feira, que liga Fujairah City a Jebel Jais com uma chegada de 20 quilómetros a subir, era apontada como a chave para a vitória final na Volta aos EAU mas esta terceira tirada, entre Al Ain e Jebel Hafeet (166km), prometia também fazer mais um corte grande nos primeiros lugares, tratando-se de uma subida com inclinação média de 6,8%. Anthony Roux, Alejandro Valverde e o próprio Chris Froome, que andou sempre na parte de trás do grupo que apanhou os dois perseguidores e iniciou a ascensão na frente, foram alguns exemplos de como um teste assim no início da temporada pode ser complicado de superar. Lá na frente, a Team UAE trabalhava para Pogacar, a Ineos partia o pelotão na frente, Almeida ficava apenas com Mattia Cattaneo depois de Fausto Masnada a não aguentar e a quebrar ainda antes dos últimos cinco quilómetros. Tudo em aberto, apesar de haver um corte com Pogacar e Adam Yates a irem embora para cortarem em relação ao resto da concorrência.

Adam Yates tentou várias vezes fugir, Tadej Pogacar ia controlando sem querer acabar de vez com a questão, dando mostras que poderia arriscar se fosse necessário. Mais atrás, João Almeida, com uma cara de sofrimento que ainda assim não impedia que deixasse a concorrência que andava por ali para trás, tentava encurtar distâncias, que no máximo foi andando pelos pouco mais de 40 segundos. A 500 metros do final, Pogacar partiu, Yates não teve a mínima hipótese e ganhou a etapa, a primeira para o campeão mais novo do Tour, ficando à espera dos principais perseguidores onde estava João Almeida, que acabou na sexta posição e caiu para o terceiro lugar da geral.

Tadej Pogacar acabou com o tempo de 3.58.35, o mesmo de Adam Yates, e Sergio Higuita a termina na terceira posição a 48 segundos, ganhando ainda a última bonificação à frente de Emanuel Buchmann, Harm Vanhoucke e João Almeida. Florian Stork, Neilson Powless, Chris Harper e Geofrey Bouchard fecharam o top 10, o último já a mais de um minuto do esloveno. Na geral individual, Pogacar aumentou a vantagem para 43 segundos tendo agora Adam Yates na segunda posição, enquanto João Almeida baixou ao terceiro posto a 1.03 do esloveno e com 40 segundos de vantagem em relação ao quarto, o australiano Chris Harper (Jumbo-Visma). Em paralelo, o português manteve a camisola preta dos sprints intermédios e está em segundo na camisola verde dos pontos.