Os movimentos de supremacia branca, defensores de teorias da conspiração e apoiantes de Donald Trump, banidos das plataformas convencionais, mudam-se para redes sociais mais confidenciais e difíceis de regular: Gab em vez do Twitter, MeWe para substituir o Facebook e Telegram para mensagens.

“Os apoiantes mais radicais de Trump já estavam bem estabelecidos em plataformas alternativas”, disse Nick Backovic, investigador da Logically.Al, uma sociedade especializada em desinformação digital, acrescentando que “o Facebook e o Twitter têm sido muito lentos para responder, permitindo que os influenciadores reconstruam o seu público quase sem interrupção”. Depois dos distúrbios de 6 de janeiro em Washington, com a invasão do Capitólio, as principais redes sociais reprimiram as organizações envolvidas, como os Oath Keepers, os Three Percenters e os Proud Boys.

EUA. Supremo Tribunal decide que Trump tem que entregar declarações fiscais

O Facebook intensificou, assim, as expulsões contra os movimentos armados, enquanto o Twitter, por sua vez, baniu permanentemente o ex-Presidente e apagou 70.000 contas afiliadas a QAnon, uma rede cujos fiéis estavam convencidos, ou ainda estão, de que Trump salvará o mundo de elites corruptas e pedófilas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“É uma estratégia que funciona”, disse Jim Steyer, presidente da Common Sense Media, sublinhando que Trump sem Twitter “perdeu o seu megafone, as suas mensagens não são mais amplificadas.” Mas milhões de extremistas e conspiradores recusam-se a resignar, segundo especialistas, que temem que a censura reúna e una indivíduos que, a priori, são muito diferentes.

Congressista republicano que apoiou destituição de Trump foi ostracizado pela família

Na QAnon, existem militantes armados, republicanos tradicionais, mães que ficam em casa, professores de ioga … Pessoas que ainda tinham certa distância dos grupos nazistas ou supremacistas. Mas ali, eles começam misturar-se em comunidades. Eles não têm para onde ir”, observou Alex Goldenberg, do Network Contagion Research Institute (NCRI), um centro de pesquisa também especializado em desinformação digital.

Seguidores dececionados estão também a reunir-se sob outras bandeiras, incluindo o movimento antivacinas. Na mensagem criptografada do Telegram, grupos de dezenas de milhares de apoiantes de Donald Trump estão transmitindo falsos rumores sobre “vacinas de despovoamento”, entre insultos contra Joe Biden ou os migrantes. As autoridades podem desprezar estas trocas de mensagens em cantos pouco conhecidos da web, mas, embora a exclusão de grandes redes sociais tenha limitado a capacidade de recrutamento em grande escala de movimentos extremistas, elas continuam a existir.

Serviços de inteligência desvalorizaram ameaça de invasão ao Capitólio

No final de janeiro, um grupo de manifestantes, por exemplo, interrompeu a vacinação contra a Covid-19 num estádio de Los Angeles. Gab e MeWe, que também se parecem com o Facebook, viram sua popularidade explodir a 6 de janeiro, segundo Alex Goldenberg, quando os extremistas que se juntaram o usam principalmente para expressar sua frustração.

“Não houve pandemia em 2020. A gripe tem sido usada para destruir a economia e roubar a eleição (de Donald Trump)”, disse o usuário do Gab, ILoveJesusChrist123, num comunicado à imprensa do ex-Presidente, divulgado pela plataforma. O Telegram é mais propício à ação, por meio de grupos privados, protegidos por criptografia. Os aficionados por armas de fogo podem ser encontrados, por exemplo, no fórum MyMilitia.com (“Minha Milícia”).

Existem centenas de grupos no MeWe e apenas uma fração é sobre política”, disse David Westreich, diretor de marketing da plataforma, à AFP. “Ao contrário do Facebook e do Twitter, (…) não há nenhuma maneira no MeWe para anunciantes, políticos ou qualquer outra pessoa promover coisas para os nossos utilizadores”, frisou.