A vacina da norte-americana Johnson & Johnson, que tem a particularidade de ser apenas em uma dose, deverá ser aprovada pela Agência Europeia do Medicamento (para ser utilizada na União Europeia) no início de março, revelou uma ministra do governo francês, a ministra da Indústria Agnes Pannier-Runacher.

Este produto foi aprovado formalmente na noite deste sábado nos EUA, tornando-se a terceira vacina aprovada no país (além da Pfizer e da Moderna), e se receber “luz verde” também na Europa no início do mês de março isso significará que a distribuição pelos países europeus poderá arrancar no final de março ou início de abril, afirmou a ministra francesa em declarações à France 3.

A confirmar-se esta expectativa, será uma “excelente notícia” não só porque aumenta o número de vacinas disponíveis mas, também, porque esta é uma vacina que tem eficácia com apenas uma dose, o que simplifica e acelera o processo de inoculação. Ainda assim, os especialistas ainda estão a avaliar os possíveis benefícios de as pessoas receberem uma segunda dose.

O plano é que cheguem à Europa 600 milhões de doses da vacina da Johnson&Johnson até ao final de junho, revelou Agnes Pannier-Runacher.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A Johnson & Johnson referiu, no final de janeiro, que a sua vacina em dose única foi 66% eficaz na prevenção do desenvolvimento da Covid-19 com sintomas moderados e 85% eficaz na prevenção de sintomas graves, num ensaio clínico global.

No primeiro caso, os efeitos foram verificados 28 dias após a sua administração, e os primeiros resultados em termos de proteção foram observados a partir do 14.º dia após a vacinação. O ensaio foi conduzido em três continentes e contra múltiplas variantes, e a eficácia da vacina difere de região para região. A injeção foi 72% eficaz entre os voluntários de ensaios clínicos nos Estados Unidos. Na África do Sul, onde a maioria das pessoas com Covid-19 (95%) foi infetada com a nova variante nacional, a vacina foi apenas 57% eficaz.

A J&J referiu, ainda, que a vacina foi 85% eficaz na prevenção de sintomas graves em todas as regiões estudadas, 28 dias após ser administrada em todos os adultos a partir dos 18 anos. A eficácia contra a doença grave também aumentou ao longo do tempo, não havendo registo de casos de doença grave em nenhum dos participantes vacinados ao final do 49.º dia.

Vacina contra a Covid-19 da Johnson & Johnson é 66% eficaz na Covid-19 moderada e 85% na grave