Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Suceder a dinastias é sempre muito complexo. Que o diga David Moyes, que em 2013 substituiu Alex Ferguson no Manchester United e deixou Old Trafford menos de um ano depois de assumir o cargo. Que o diga Brian Clough, que antes de conquistar a Europa com o Nottingham Forest rendeu Don Revie no Leeds e não durou mais de 44 dias. E que o diga Unai Emery, que foi o eleito pelo Arsenal para suceder ao histórico Arsène Wenger e saiu de Londres ao fim de 18 meses — sem deixar qualquer saudade nem nos jogadores, nem nos adeptos, nem no clube.

Mas a vida dá muitas voltas e, esta quinta-feira, Unai Emery reencontrava o Arsenal que deixou em novembro de 2019. Nas meias-finais da Liga Europa — que o espanhol já conquistou em três ocasiões, sempre ao leme do Sevilha –, o treinador do Villarreal voltava a cruzar-se com o clube onde não foi amado por quase ninguém. Na primeira e única época que completou com os gunners, Emery colocou o Arsenal no quinto lugar da Premier League, uma posição acima do registo da temporada anterior e à beira da qualificação para a Liga dos Campeões. Esta quinta-feira, o Arsenal visitava o Estadio de la Cerámica no 10.º lugar da liga inglesa, a nove pontos da vaga de acesso à Liga Europa de 2021/22.

E foi precisamente isso que foi recordado pela imprensa inglesa ao longo da semana: o facto de o registo desta época, com Mikel Arteta, ser muito abaixo do registo de Unai Emery em 2018/19, quando o Arsenal acabou derrotado pelo Chelsea na final da Liga Europa. Ainda assim, os adeptos dos gunners parecem ter muito mais paciência para Arteta do que tiveram para Emery — algo que o agora treinador do Villarreal considera ser a chave para o sucesso futuro do clube. “É uma questão de paciência. Acho que é um casamento perfeito. O Arteta é um ótimo treinador e é possível ver que existe uma identidade clara no planeamento do jogo”, disse Emery na antecâmara da primeira mão da meia-final da Liga Europa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ora, esta quinta-feira, em Espanha, o Villarreal que eliminou o Dínamo Zagreb na ronda anterior recebia o Arsenal que afastou o Slavia Praga nos quartos de final. Nos espanhóis, Paco Alcácer e Moreno eram naturalmente titulares no ataque, com Parejo e Capoue no meio-campo e Chukwueze e Trigueros mais junto às alas; Smith Rowe começava de início nos ingleses, já que Lacazette está lesionado e nem sequer aparecia na ficha de jogo e Aubameyang, também a recuperar de um problema físico, era suplente. Pépé, Odegaard e Saka completavam o setor mais ofensivo, enquanto que Willian e Gabriel Martinelli partiam do banco.

O Villarreal conquistou uma vantagem importante na primeira parte, com um golo a abrir e outro já perto da meia-hora. Trigueros colocou a equipa de Unai Emery a ganhar, com um remate forte e na diagonal depois uma incursão de Chukwueze pela direita (5′), e Raúl Albiol aumentou a vantagem, com um toque ao segundo poste depois de um canto na esquerda e um desvio inicial de Moreno (29′). O Arsenal ficou muito perto de ter uma enorme ocasião para reduzir a desvantagem, quando Pépé foi carregado em falta por Foyth na grande área do Villarreal — a equipa de arbitragem portuguesa, liderada por Artur Soares Dias, decidiu não assinalar grande penalidade por considerar, através do VAR, que o costa-marfinense dominou a bola com a mão no início da jogada.

No arranque da segunda parte, Unai Emery mexeu e trocou Paco Alcácer, um avançado, por Coquelin, um médio defensivo, e tudo piorou ainda mais para o Arsenal. Ainda antes de estar cumprida uma hora de jogo, Dani Ceballos foi expulso por acumulação de amarelos e deixou a equipa reduzida a dez elementos. Arteta trocou Odegaard por Gabriel Martinelli e tentou não dar a primeira mão como perdida, apesar do resultado, enquanto que Moreno desperdiçou uma enorme oportunidade para sentenciar a partida, ao atirar por cima à saída de Leno (66′).

Pouco depois, porém, o Arsenal acabou por conseguir marcar. Trigueros fez falta sobre Saka no interior da grande área espanhola e Pépé, na conversão, bateu Rulli (73′). As equipas voltaram a ficar em igualdade numérica nos últimos dez minutos e depois da expulsão de Capoue, também depois de ver dois cartões amarelos, e Arteta fez o all in com a entrada de Aubameyang. O gabonês ainda desperdiçou uma enorme ocasião já nos descontos (90+5′) mas os gunners, porém, já não chegaram ao empate e saíram derrotados do Estadio de la Cerámica — apesar de o golo marcado fora deixar a eliminatória totalmente em aberto para a segunda mão, na próxima semana, em Londres.