Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A DGS já decidiu. Outra vacina mRNA, como a da Pfizer ou a Moderna, deve ser administrada a menores de 60 anos que tenham tomado como primeira dose a vacina da AstraZeneca contra a Covid-19. A recomendação da Direção-Geral da Saúde foi tornada pública na noite de sexta-feira, através da atualização da norma relativa à vacina Vaxzevria.

Em Portugal, a recomendação era de que a vacina da AstraZeneca só fosse utilizada em pessoas com
60 ou mais anos de idade, depois de a Agência Europeia do Medicamento (EMA) ter concluído existir uma possível ligação entre a toma do medicamento e a formação de coágulos sanguíneos, mais frequente abaixo daquela faixa etária. Assim, esperava-se a conclusão de novos estudos para decidir como vacinar menores de 60 anos que já tivessem sido inoculados com uma primeira dose da vacina da AstraZeneca.

Apesar do efeito secundário raro, a DGS permitia que menores de 60 anos de idade pudessem ser vacinados com aquele fármaco, desde que se obtivesse o seu consentimento livre e esclarecido. Agora, surge a recomendação oficial: Pfizer ou Moderna.

O intervalo previsto de 12 semanas após a primeira dose deve continuar a ser respeitado.

EMA desaconselha 2.ª dose da AstraZeneca a quem teve coágulos depois da primeira toma

“As pessoas que adiaram a segunda dose do esquema de Vaxzevria aguardando por nova recomendação da DGS, devem completar a vacinação, logo que possível, com uma dose de vacina de mRNA”, lê-se na norma publicada no site da Direção-Geral da Saúde.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Neste esquema misto podem surgir alguns sintomas, como febre, cansaço, inchaço ou dor no local a administração, nos primeiros dias após a vacinação, tal como acontece com todas as vacinas contra a Covid-19. As pessoas devem estar atentas a estes sintomas e seguir as indicações do folheto da norma e dos profissionais de saúde”, acrescenta-se no mesmo documento.

A DGS recomenda ainda que não seja administrada segunda dose da vacina a quem esteve infetada por SARS-CoV2 e, havendo atraso em relação à data marcada para a 2.ª dose, ela deve ser administrada logo
que possível.