Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Licenciado em Marketing e pós-graduado em Gestão, grande parte do percurso profissional de Sérgio Pinto foi feito no grupo Sonae, onde trabalhou no ramos de telecomunicações e da Tecnologia de Informação. Arrancar com um projeto como a Beamian — que começou por ser uma plataforma de eventos presenciais — não foi o plano desde sempre, admite, “mas quando olhamos para trás gostamos de pensar que foi tudo planeado”, diz ao Observador. Um ano depois, a pandemia de Covid-19 veio outra vez mudar-lhe os planos. O que fazer quando o setor em que se trabalha fica quase sem trabalho? Adapta-se a oferta, que, neste caso, chega a 120 mil clientes no mundo todo. Foi isso que o empreendedor fez.

“Começámos a acelerar a empresa em Julho de 2019 com base nesta venda de serviços direcionada a eventos presenciais, contratamos equipa, abrimos Espanha em Janeiro de 2020 [abrindo depois na Alemanha] e, em Fevereiro, já estávamos a crescer muito acima do previsto”, diz Sérgio Pinto, cofundador e CEO da Beamian.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.