480kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Desde março que não havia tantas mortes. Lisboa concentra maior parte dos óbitos

Este artigo tem mais de 1 ano

É o número mais elevado de mortes desde o final de março. É ainda preciso recuar a 10 de fevereiro para ter tantos casos positivos. Incidência volta a disparar, apesar de abrandamento de R(t).

Lisbon residents confined to region at weekends as COVID-19 spikes
i

Lisboa e Vale do Tejo continua a concentrar cerca de metade das infeções

NurPhoto via Getty Images

Lisboa e Vale do Tejo continua a concentrar cerca de metade das infeções

NurPhoto via Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Desde o dia 22 de março que não se registavam tantas mortes no país (16). Nas últimas 24 horas, de acordo com os dados disponibilizados pelo mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde, morreram 13 pessoas. A última vez que o número de óbitos ultrapassou os dois dígitos foi a 1 de abril, com 11 mortes a lamentar. O último dia sem mortes continua a ser a 4 de julho e, antes disso, 14 de junho.

Foram também registados 4.376 novos casos de Covid-19. Desde 14 de julho (4.153) que Portugal não ultrapassava a barreira das 4.000 infeções — é ainda preciso recuar a 10 de fevereiro para ter tantos casos positivos (4.387).

A incidência (o número de novos casos nos últimos 14 dias por 100.000 habitantes) voltou a disparar e é agora de 409,0 casos a nível nacional (na última atualização, segunda-feira, estava nos 391,0) e 421,3 no continente (até aqui estava nos 403,0).  Já o índice de transmissibilidade — o R(t) — a nível nacional está em 1,09 (na última atualização estava nos 1,10) e também no continente (estava nos 1,10).

O número de doentes internados com Covid-19 nos hospitais portugueses subiu para 867 (são mais 13 face ao dia anterior), sendo que nos cuidados intensivos estão 171 pessoas, menos 6 do que ontem. Desde o dia 18 de julho que os internamentos estão acima dos 800 e há uma semana a crescer ininterruptamente (desde 14 julho, quando estavam internadas 734 pessoas).

Neste momento há 52.147 casos ativos de infeção pelo SARS-CoV-2 em Portugal (são mais 1.660 face ao dia anterior), sendo que últimas 24 horas foram 2.703 as pessoas que recuperaram da doença. No total, recuperados ascendem aos 870.243 — num universo de 939.622 infeções.

No que toca à distribuição geográfica dos novos casos, Lisboa e Vale do Tejo continua a concentrar cerca de metade das infeções, com 1.744 dos 4.376 novos casos, o que diz respeito a 40% das novas infeções. Logo atrás está o Norte do país, com 1.592 infeções, o que corresponde a 36%. O Centro é a terceira região com mais casos, totalizando 430 novas infeções. Segue-se o Algarve com 394, o Alentejo com 130, Açores com 63 e Madeira com 23.

Relativamente às 13 mortes a lamentar, 10 delas dizem respeito a Lisboa e Vale do Tejo. As restantes três ocorreram no Alentejo, no Algarve e nos Açores. Dos 13 óbitos, 8 correspondem a vítimas do sexo masculino e 5 a vítimas do sexo feminino.

Tendo em conta as faixas etárias, assiste-se à seguinte distribuição: 2 homens e 1 mulher com 80 ou mais anos; 2 homens e 2 mulheres entre os 70 e os 79 anos; 3 homens e 2 mulheres entre os 60 e os 69 anos e um homem entre os 40 e os 49 anos.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.