Mais um dia sem medalhas para as cores nacionais, mas isso não quer dizer que os atletas portugueses estejam a desiludir ou a representar as quinas sem coragem e superação. Não há medalhas, ok, já sabemos. Mas um novo recorde pessoal e, por exemplo, um diploma olímpico não são nada, mas nada de se deitar fora. Vejamos então como estiveram os portugueses no segundo dia dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Começamos pelo skate, uma das novas modalidades olímpicas, em que Gustavo Ribeiro, de 20 anos, era um candidato às tão queridas medalhas. Uma queda durante as finais agravou uma lesão recente que teve no ombro, não conseguindo depois recuperar desse momento. De qualquer forma, sai de Tóquio com um diploma olímpico.

O ombro bateu, a cabeça cedeu, faltaram as pernas e o “Beautiful” Gustavo escreveu num diploma que quer mais para 2024

“Se valia mais do que o oitavo lugar? Óbvio que sim, todos viemos para aqui com a sensação de que conseguimos trazer pelo menos uma medalha. Infelizmente, não foi o meu dia, não estou feliz como é óbvio mas também não posso estar triste porque na primeira vez em que o skate está nos Jogos Olímpicos consegui fazer história e entrar numa final”, disse após a competição.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

E agora, Gustavo? “Meter o ombro on point e andar de skate. Daqui a três anos temos Paris, a ver se trazemos a esperada medalha”

No surf, numa bela prestação, Yolanda Hopkins e Teresa Bonvalot estão nos oitavos de final da competição feminina. Bonvalot vai disputar o acesso aos quartos de final e tentar um diploma olímpico frente à veterana brasileira Silvana Lima, de 36 anos e vice-campeã do mundo em 2008 e 2009, no sexto heat da terceira ronda, previsto para segunda-feira, às 10h locais (02h em Lisboa). Antes, a partir das 7h36 (23h36), Yolanda Hopkins, vice-campeã dos Jogos Mundiais de surf, vai enfrentar a francesa Johanne Defay, atual segunda classificada do circuito mundial, atrás de Carissa Moore, no segundo heat. A representação lusa na modalidade ficou desfalcada com a ausência de Frederico Morais, por estar infetado com Covid-19.

Já os remadores Pedro Fraga e Afonso Costa ficaram “tristes, frustrados e em choque” ao falharem as meias-finais em double-scull ligeiro. Na sua repescagem, a dupla portuguesa esteve quase sempre em terceiro, posição que perdeu nos metros finais para o Uruguai, por escassos oito centésimos de segundo. “Em meio segundo, ficaram quatro equipas. Quando entrámos nas boias finais, estávamos todos lado a lado. Infelizmente, o pão com marmelada cai sempre com esta virada para o chão. Caiu para o nosso lado”, lamentou Pedro Fraga. “Agora queremos fazer o melhor para Portugal e isso passa pelo 13.º lugar”, disse Pedro Fraga sobre a participação ainda na Final C.

No ténis, a participação portuguesa correu menos bem (e já acabou), com João Sousa, 137.º jogador mundial, a ser eliminado pelo checo Tomas Machac, 145.º, na primeira ronda do torneio de singulares. Sousa, de 32 anos e a cumprir os segundos Jogos, perdeu pelos parciais de 6-7 (5-7), 6-4 e 6-4, não conseguindo levar a melhor sobre o jovem de 20 anos. Portugal conclui, assim, a participação no ténis em Tóquio, no Parque de Ténis de Ariake. Antes, João Sousa juntou-se a Pedro Sousa em pares, caindo na primeira ronda, o que já tinha acontecido a Pedro Sousa em singulares.

No judo, Joana Ramos foi eliminada logo nos 16 avos de final dos -52kg. A judoca portuguesa perdeu por ippon com a norte-americana Angelica Delgado. No “tempo regulamentar” acabou tudo empatado, mas já no golden score a atleta dos EUA conseguiu vencer a portuguesa.

Francisco Santos, por seu lado e numa excelente prestação, conseguiu este domingo estabelecer um novo recorde nacional dos 100 metros costas, ao fazer 54,35 segundos nas eliminatórias dos Jogos, menos 35 centésimos do que o anterior registo do recorde, pertencente a João Costa e conseguido nos Europeus de Budapeste, na Hungria, em maio. Francisco Santos concluiu a prova na segunda posição da segunda série das eliminatórias, ocupando o lugar 28 da classificação geral. Não chegou para estar na final.

Nas provas de equitação, a equipa portuguesa qualificou-se hoje para a final de Ensino de equestre, assim como Rodrigo Torres, na prova individual. Numa disciplina em que Portugal conquistou uma medalha de bronze em Londres 1948, a equipa portuguesa volta a marcar presença numa final, depois de Helsínquia 1952, graças a Maria Caetano, Rodrigo Torres e João Miguel Torrão, que conseguiram um dos oito lugares na final, com a marca de 68,89. Na prova individual, Rodrigo Torres conseguiu ser um dos seis repescados para a final, depois de no sábado ter conseguido uma pontuação de 72,624, garantindo igualar, pelo menos, o 16.º lugar de Gonçalo Conchinhas Carvalho em Londres2012, na última participação portuguesa nesta disciplina. A final coletiva (Grand Prix Special) está marcada para terça-feira, um dia antes da individual (Grand Prix Freestyle).

Shao Jieni “queria tentar jogar” mas perdeu contra “adversária forte”

No ténis de mesa, a portuguesa Shao Jieni perdeu por claros 4-0 na segunda ronda da competição, frente à atleta de Singapura Mengyu Yu. No final, a mesatenista portuguesa afirmou ter jogado contra uma oponente muito forte. “Joguei contra uma adversária muito forte. Perder não era mau, porque ela é muito forte, mas queria tentar jogar” a um nível mais próximo de Yu Mengyu, descreveu a atleta lusa, de 27 anos, após o confronto.

A portuense Filipa Martins terminou hoje a participação nos Jogos Olímpicos sem conseguir atingir qualquer final na ginástica artística, apesar do bom desempenho. No “all around”, a ginasta, que tinha sido 37.ª no Rio 2016, o melhor resultado luso de sempre na prova, foi agora 43.ª colocada, com 52.298 pontos, com a última apurada para as 24 finalistas a ser a 31.ª, a alemã Kim Bui, com 53.398 pontos. Nas paralelas assimétricas, nas quais criou o “movimento Martins”, Filipa foi 17.ª classificada, com 14.300 pontos, sendo a multicampeã olímpica Simone Biles, 10ª, a garantir a oitava vaga, com 14.566. Nas outras três provas ficou mais distante da qualificação. Nomeadamente na trave, em que, com uma queda antes da saída, se ficou pelo 69.º posto, com 11.886 pontos, e no solo, ao ser 46.ª, com 12.666, enquanto no cavalo somou 13.466 pontos, com a qualificação fixada nos 14.616 pontos.

Tóquio2020. Filipa Martins falha finais na ginástica artística

Com Lusa