819kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Discutir um Nobel, ver um filme e conhecer 24 novas editoras: oito destaques da Feira do Livro de Lisboa

Este artigo tem mais de 2 anos

O evento regressa ao Parque Eduardo VII a partir desta quinta-feira e até 12 de setembro. Além das habituais promoções, até 50%, haverá tertúlias, debates, leituras e até cinema.

Selecionámos oito coisas que pode fazer no Parque Eduardo VII até 12 de setembro, além de encher o saco de livros, claro
i

Selecionámos oito coisas que pode fazer no Parque Eduardo VII até 12 de setembro, além de encher o saco de livros, claro

Selecionámos oito coisas que pode fazer no Parque Eduardo VII até 12 de setembro, além de encher o saco de livros, claro

Em 2020, a Feira do Livro de Lisboa, que é habitualmente organizada na primavera, aconteceu pela primeira vez entre o final de agosto e o início de setembro. A pandemia assim o obrigou. Este ano, a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), que organiza o evento em parceria com a Câmara Municipal de Lisboa, decidiu repetir as datas: a 91.ª edição da Feira do Livro arranca esta quinta-feira, dia 26 de agosto, e termina a 12 de setembro, um domingo.

Todas as medidas de prevenção implementadas no ano passado foram mantidas. O uso de máscara é obrigatório e só poderão estar 5.500 pessoas em simultâneo dentro do recinto, número que é bem superior ao de 2020 (3.300 visitantes). Não será necessário apresentar um teste negativo à Covid-19 ou o certificado digital de vacinação à entrada. Tudo permanece, portanto, mais ou menos igual. A única grande diferença é a dimensão da Feira: com 131 expositores, distribuídos por 325 pavilhões, esta é a segunda maior de sempre, sendo apenas ultrapassada pela edição de 2019.

A programação permanece condicionada pelas restrições impostas pela pandemia mas, além das habituais promoções, o grande chamariz da Feira do Livro, não faltam iniciativas organizadas pela Câmara de Lisboa ou pelas próprias editoras e grupos editoriais. Selecionámos, por isso, oito coisas que pode fazer no Parque Eduardo VII até 12 de setembro, sem esquecer as habituais sessões de autógrafos ou os debates da Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), que têm animado as últimas edições.

[O mapa do recinto da edição de 2021 da Feira do Livro de Lisboa:]

Assistir a uma tertúlia sobre António Botto e Judith Teixeira

As Bibliotecas de Lisboa (BLX) são, há muito, parceiras da Feira do Livro de Lisboa, desenvolvendo todos os anos uma programação própria com foco nos mais pequenos mas também a pensar nos mais crescidos. Em 2021, esta programação inclui iniciativas como o Clube de Leitura, onde se discutirá diferentes livros de autores estrangeiros e portugueses, e as tertúlias, dedicadas à literatura queer.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A primeira destas tertúlias acontece esta sexta-feira, 27 de agosto, e será dedicada aos três livros no centro do escândalo da chamada “Literatura de Sodoma”, que abalou Lisboa no início de 1923, quando a Liga de Ação de Estudantes de Lisboa decidiu levar a cabo uma ação moralizadora contra os “livros torpes” que enchiam as livrarias da capital. As obras visadas foram as Canções, de António Botto; Decadência, de Judith Teixeira; e Sodoma Divinizada, de Raul Leal.

A tertúlia, marcada para as 21h no stand das BLX no Parque Eduardo VII, contará com a participação de Lila Fadista e João Caçador, dos Fado Bicha, e terá moderação de Fátima Santos, da ILGA Portugal.

O programa das BLX inclui ainda outras duas tertúlias: “(In)visibilidade trans e não-binária em contextos literários”, com a participação de Francisca Correia do Vale, da GRIT-ILGA Portugal, e de Raquel Smith-Cave, da Queer As Fuck (moderação de Dani Bento, da ILGA Portugal); e “A poesia hoje”, uma conversa entre André Tecedeiro e Raquel Marinho. Ambas a 4 de setembro, às 17h e 18h30, respetivamente.

Assistir a um debate sobre biodiversidade e alterações climáticas

Outra presença já habitual na Feira do Livro de Lisboa é a Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), que este ano volta a promover uma série de debates em torno de temas fraturantes que têm como ponto de partida livros da coleção da FFMS. O último desses debates irá trazer para o palco temas como a biodiversidade e as alterações climáticas, durante uma conversa com Maria Amélia Loução, autora de Riscos Globais e Biodiversidade, e a geógrafa Maria José Roxo. A moderação será do jornalista José Vítor Malheiros.

A conversa, uma das cinco programadas pela FFMS sobre questões variadas, como o poder local ou a evolução da cidade de Lisboa, acontecerá a 12 de setembro, pelas 19h, no Auditório Sul da Feira do Livro.

Comprar livros com pelo menos 50% de desconto na “Hora H”

A “Hora H” é sempre um dos momentos mais aguardados da Feira do Livro de Lisboa. De segunda a quinta-feira, na última hora do evento (ou seja, entre as 21h e as 22h), é possível comprar livros com pelo menos 50% de desconto. Mas atenção: o desconto só é aplicado em obras lançadas há mais de 18 meses. Pode consultar as editoras aderentes aqui.

Outra oportunidade para encontrar livros a bom preço é a iniciativa “Livro do Dia”. Todos os dias, nos diferentes stands da Feira, é possível encontrar obras em destaque com descontos que podem chegar aos 50%. Ao contrário da “Hora H”, funciona a qualquer hora do evento, até ao fecho. A lista de livros é disponibilizada no site da Feira do Livro de Lisboa, num separador criado exclusivamente para isso.

Conhecer os autores e assistir a apresentações nos auditórios da APEL

As apresentações, lançamentos e sessões de autógrafos estão, a par da venda de livros, no centro da Feira do Livro de Lisboa. Infelizmente, a situação pandémica obrigou à implementação de diferentes medidas de prevenção que tiveram como consequência mais direta a diminuição dos lançamentos e apresentações. Com o intuito de evitar ajuntamentos, a APEL decidiu no ano passado restringir os eventos com espectadores a três auditórios, dois perto da entrada norte e um na entrada sul, que têm de ser partilhados por todas as editoras presentes.

A falta de espaço levou a que muitas editoras optassem por não realizar qualquer evento além das sessões de autógrafos, que podem continuar a ser feitas nas diferentes praças. Por essa razão, desde 2012 que a agenda da Feira do Livro é composta sobretudo por sessões de autógrafos, durante as quais os leitores podem, além de levar para para caso um livro assinado, dar dois dedos de conversa com o seu escritor favorito.

As promoções que podem ultrapassar os 50% de desconto são o grande chamariz da Feira do Livro de Lisboa

AgenciaZero.net

Alguns dos autores que vão passar pela Feira do Livro de Lisboa até 12 de setembro:

  • Leonardo Padura estará na Feira do Livro esta sexta-feira, 27 de agosto, para apresentar os dois volumes de Quarteto de Havena, que reúnem as primeiras histórias de Mario Conde, o protagonista da série de policiais que tornaram o escritor e jornalista cubano famoso. À apresentação no Auditório Sul, seguir-se-á uma sessão de autógrafos. Padura participará ainda este sábado, pelas 19h20, num debate, “Utopia, Internacionalismo e Solidariedade”, com Raquela Varela.
  • Bruno Vieira Amaral dará uma sessão de autógrafos no espaço da Porto Editora e Bertrand este sábado, 28 de agosto, às 17h, a propósito da sua biografia de José Cardoso Pires, Integrado Marginal. O escritor voltará à Feira nos dias 5 e 11 de setembro, sempre às 17h.
  • José Eduardo Agualusa também estará no espaço da Porto Editora e Bertrand este sábado, às 17h, para uma sessão de autógrafos no âmbito do lançamento do seu novo romance, Milagrário Pessoal, neste mês de agosto. O livro conta a história de Iara, uma jovem linguista portuguesa que tem como trabalho recolher as palavras novas e transpô-las para o dicionário. Haverá uma segunda sessão a 29 de agosto, também às 17h.
  • Leonardo Costa de Oliveira, autor de O Sonho de Amadeo, vencedor do Prémio Revelação Literária UCCLA-CMLisboa 2021, vai participar por streaming na apresentação da obra, a 28 de setembro, pelas 17h, no Auditório Sul.
  • Margarida Vale de Gato vai apresentar, este domingo, o seu novo livro de poesia, Atirar para o Torto. A apresentação será no Auditório Sul, pelas 17h, e além da autora estarão presentes Regina Guimarães e Pedro Mexia, que coordena a coleção de poesia da Tinta-da-China. Ivo Canelas lerá alguns poemas.
  • Filipe Melo, co-autor da novela gráfica Balada para Sophie, vai estar na Feira este fim de semana (sábado e domingo) e a 4 de setembro para sessões de autógrafos, no pavilhão da Penguin Random House.
  • Afonso Cruz, que lançou em abril passado O Vício dos Livros, um livro que celebra o amor pelos livros e pela leitura, vai estar disponível para assinar exemplares dos seus livros este domingo. O autor e ilustrador vai regressar à Feira do Livro a 5 de setembro, também para uma sessão de autógrafos no pavilhão da Penguin Random House.
  • Alberto Manguel dará uma sessão de autógrafos a 5 de setembro, pelas 18h, na Praça Laranja. O escritor argentino, atualmente a residir em Portugal, publicou no ano passado o livro Com Borges, sobre o período em que leu para Jorge Luis Borges.
  • María Dueñas vai dar uma sessão de autógrafos a 6 de setembro, pelas 18h, no espaço da Porto Editora e Bertrand. Da autora de O Tempo Entre Costuras foi muito recentemente publicado em Portugal, no passado mês de maio, As Vinhas de La Templanza. Dueñas vai lançar em breve uma sequela de O Tempo Entre Costuras, Sira.
  • Maria do Rosário Pedreira vai estar na Feira do Livro, e disponível para autógrafos, a 10 de setembro a propósito de Adeus, Futuro, livro que reúne crónicas escritas para o Diário de Notícias e alguns inéditos. A sessão está marcada para as 18h30. O Observador entrevistou a escritora no passado mês de junho.
  • José Luís Peixoto vai apresentar, a 11 de setembro, o seu último romance, Almoço de Domingo. A sessão, marcada para as 18h no Auditório Sul, contará com a presença de Manuel Nabeiro, fundador da Delta Cafés e a inspiração para Almoço de Domingo. O autor estará disponível para autógrafos antes da apresentação, às 15h, e depois, às 19h30. Haverá uma terceira sessão, no dia seguinte, novamente pelas 15h, no espaço da Porto Editora e Bertrand.
  • Cláudia Andrade estará a 12 de setembro, pelas 15h, no espaço da 20|20 para uma sessão de autógrafos a propósito de Caronte à Espera. A obra, publicada no verão do ano passada, recebeu o prémio da SPA de Melhor Ficção Narrativa. É uma das sugestões de leitura do Observador para este verão.
  • Tatiana Salem Levy vai estar na Feira do Livro de Lisboa no mesmo dia, no mesmo espaço e à mesma hora para uma sessão de autógrafos. A “desculpa” é a publicação de Vista Chinesa, uma narrativa que gira em torno de uma vítima de violação e do doloroso processo de exteriorização e racionalização do ataque que sofreu, anos depois.

Conhecer novas editoras (e passar pelos stands habituais)

A edição deste ano da Feira do Livro de Lisboa é a segunda maior de sempre, contando com 131 expositores, distribuídos por 325 pavilhões. Para estes números, apenas ultrapassados pelos de 2019, contribuiu a entrada de 24 editoras. Destas, 12 já tinham marcado presença no evento mas, por razões diversas, optaram por estar ausentes em algumas das suas edições. As restantes 12 são estreias absolutas. É o caso das Edições Esgotadas ou da Papa-Letras, dedicada aos mais pequenos. Mas há mais, como pode ver na lista abaixo.

Ao todo, participam este ano na Feira do Livro de Lisboa 600 marcas editoriais, distribuídas pelas duas alamedas do Parque Eduardo VII. Entre as novas entradas e os suspeitos do costume, haverá muito para descobrir.

Em 2020, a Feira do Livro de Lisboa teve uma lotação máxima de 3.300 visitantes. Este ano, o número foi aumentado para 5.500

AgenciaZero.net

Os novos participantes desta edição da Feira do Livro de Lisboa:

  • Alfabeto Delicado;
  • Edições Esgotadas;
  • Embaixada da República da Coreia;
  • Federação Espírita Portuguesa;
  • FOCO Serv. Editoriais;
  • Gestlegal;
  • Glaciar Azul;
  • Legendas e Reticências – Poética;
  • Nimba Edições de Luís Barbosa Vicente;
  • Papa-Letras;
  • Roma Editora;
  • The Poets and Dragons;

Desfazer-se dos livros que já não quer e ajudar quem mais precisa

Uma iniciativa que se mantém em 2021 é a “Doe os seus Livros”. Promovida pela APEL e pelo Banco de Bens Doados (BDB), que recebe produtos e equipamentos para os distribuir por instituições sociais, a “Doe os seus Livros” convida os visitantes a deixar livros, novos ou usados, num pavilhão junto à entrada sul do evento (a partir do Marquês de Pombal). Estes serão encaminhados para crianças apoiadas por instituições da ENTRAJUDA, procurando incentivar o hábito da leitura nos mais jovens. Em 2020, no âmbito desta iniciativa, foram angariados cerca de 20 mil livros.

Os livros em mau estado serão convertidos em alimentos no âmbito da campanha “Papel por Alimentos”, promovida pela Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares. A ação, que desde a sua criação em 2015 já recolheu mais de 60 mil livros, converte o papel recolhido em produtos alimentares que são distribuídos pelos mais carenciados.

Participar num clube de leitura e discutir um livro de um Prémio Nobel

Este ano, a programação das BLX inclui um clube de leitura, que se estende para lá dos limites do Parque Eduardo VII para levar a Feira do Livro a outros pontos da cidade. O clube, que começa esta sexta-feira na Biblioteca de S. Lázaro com o livro 100 datas que fizeram a História de Portugal: tudo o que precisa saber, de Pedro Rabaçal, e termina a 9 de setembro, terá uma sessão dedicada à Prémio Nobel da Literatura Olga Tokarczuk e ao romance Conduz o teu arado sobre os ossos dos mortos.

Publicado na Polónia em 2009 e em Portugal em 2019, ano em que a tradução inglesa foi nomeada para o International Booker Prize, Conduz o teu arado sobre os ossos dos mortos é um thriller que gira em torno de uma uma excêntrica professora reformada que vê a sua pacata vida ser abalada pela misteriosa morte de vários membros do clube de caça da remota aldeia polaca onde vive.

O romance será discutido pelo clube de leitura a 6 de setembro, pelas 18h30, na Biblioteca Palácio Galveias. A sessão será moderada por Adelaide Bernardo.

Ver um filme de animação japonês

A programação da praça do grupo editorial 20|20 inclui a projeção do filme de animação japonês “Tannishou — Mesmo num mundo de diversidades, somos todos iguais”. Produzido pela Paradise Cafe e pela Ichimannendo Publishing em 2019, o anime conta a história de Heijiro, um jovem nascido numa família pobre de agricultores que decide deixar a sua aldeia em busca dos ensinamentos da filosofia budista, que lhe tinham sido transmitidos pelo Mestre Shinran. O filme, que aborda várias questões caras ao budismo, estreou no Japão em maio de 2019 e poderá ser visto na Feira do Livro de Lisboa a 4 de setembro, às 20h40, no Auditório Sul.

[Veja aqui o trailer de “Tannisho” legendado em português:]

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos