A paixão pelos animais começou quando Mário Ferreira, veterinário há dez anos, tinha apenas seis anos e já resgatava animais, mas foi em 2019 que viu o seu percurso mudar quando decidiu ir para a Síria por conta própria. Agora, o Líbano tornou-se o país que o português visita com mais frequência para ajudar animais.

“Ir para zonas de conflito e/ou onde houve alguma catástrofe foi ideia minha. Surgiu da minha cabeça e partir de aí pus as minhas ideias em prática e fui”, explica em entrevista ao Observador.

O veterinário de 36 anos conta que desde cedo entendeu que queria ajudar. Foi na Síria e no Líbano que encontrou a sua missão, motivada pela constatação de que “há uma quantidade enorme de organizações que ajudam as pessoas neste tipo de situação, mas para os animais não há nada”.

Entre as muitas vezes que viajou para o Líbano para resgatar animais, uma das mais marcantes foi depois da explosão do porto de Beirute. “Estava um caos. Havia manifestações e tratei de vários animais na rua”, conta Mário. “Cheguei até a receber mensagens que me diziam para sair de onde estava porque poderia haver tiros.”

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.