Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

É o princípio do fim dos macacões vermelhos. “A Casa de Papel” começa a despedir-se a 3 de setembro mas guarda os últimos episódios desta quinta e derradeira temporada para dezembro. Só aí se saberá se o Professor e os seus discípulos serão castigados ou sairão dos roubos espetaculares dos últimos anos como heróis.

Jennifer Aniston e Reese Whiterspoon retomam os lugares de pivot em “The Morning Show” e, apesar de se unirem quando é preciso, continuam tão competitivas como antes.

Além dos regressos mais aguardados de setembro, há histórias novas que trazem para o mundo do streaming estrelas do cinema. Jessica Chastain (“00:30 A Hora Negra”, “As Serviçais”) e Oscar Isaac (“Ex Machina”, “Inside Llewyn Davis”) protagonizam uma nova versão de “Scenes From a Marriage”, adaptada de uma série de Ingmar Bergman da década de 70, e conduzem-nos por uma viagem da qual ninguém pode saltar a meio. Um casamento está a ruir, é violento, triste, desgastante mas igualmente terapêutico.

Os trabalhos e as aulas recomeçam para muita gente em setembro mas, para quebrar os automatismos e as rotinas do dia a dia, há inúmeras histórias empolgantes a acontecerem em televisão. Entre regressos e novidades, o Observador reuniu as estreias de setembro que não pode perder.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

1 de setembro: “Counterpart”

TVCine Action

Tem feito o seu caminho discretamente mas acumulado críticas positivas, não fosse o seu protagonista J.K. Simmons (que venceu um Óscar com “Whiplash — Nos Limites”).

Esta é a história de um funcionário das Nações Unidas, Howard (Simmons), que descobre que a organização para a qual trabalha tem um portal secreto para um mundo paralelo, onde uma versão mais velha dele próprio é um espião.

“Counterpart” entra agora na segunda temporada, dividida em dez partes. A série de ficção científica estreia-se no TVCine Action às 22h10 e é transmitida todas as quartas-feiras à mesma hora.

2 de setembro: “Schitt’s Creek”

TVCine Emotion

Tem 108 prémios no currículo, incluindo nove Emmys conquistados em 2020. “Schitt’s Creek” não precisa de muito mais apresentações. É uma das melhores comédias dos últimos anos, tem a hilariante Catherine O’Hara e foi criada por Eugene Levy e Dan Levy, pai e filho.

A premissa é simples: família rica perde tudo e tem de aprender a viver noutro local, sem luxos nem manias. Cada um mais disfuncional do que o outro, os membros deste clã regressam para uma quarta temporada que começa a ser exibida às 22h10. Há episódios novos todas as quintas-feiras.

3 de setembro: “A Casa de Papel”

Netflix

A espera está finalmente a terminar — mas o final de “A Casa de Papel” não será servido todo ao mesmo tempo. A quinta e última temporada da série espanhola está dividida em duas partes. Os primeiros cinco episódios ficam disponíveis a 3 de setembro. Os restantes cinco estão guardados para 3 de dezembro.

Nada acontece desde abril de 2020, quando a história ficou em suspenso com a detenção de Lisboa (Itziar Ituño), namorada do Professor (Álvaro Morte) e o seu calcanhar de Aquiles, a única que o faz desviar-se do foco principal.

Tudo começou em 2017 com o assalto a um banco e, agora, o cerco está cada vez mais fechado em torno dos ladrões (ou justiceiros, depende do ponto de vista) de macacão vermelho. Denver (Jaime Lorente), Tóquio (Úrsula Corberó) e Rio (Miguel Herrán) terão de ser bem mais espertos do que a inspetora Alicia Sierra (Najwa Nimri) para conseguir escapar novamente.

7 de setembro: “Impeachment: American Crime Story”

FX

Ainda não há data para a estreia de “Impeachment: American Crime Story” em Portugal mas, tendo em conta que é uma das mais aguardadas dos próximos meses, tinha de fazer parte desta lista. A produção é do canal FX mas as anteriores temporadas (“O Caso de O.J.: American Crime Story” e “The Assassination of Gianni Versace: Americam Crime Story”) fazem parte do catálogo da Netflix em Portugal, pelo que o mais provável é que esta nova história chegue entretanto à plataforma de streaming.

A história centra-se no caso extraconjugal que ditou o fim de Bill Clinton na Casa Branca. Monica Lewinsky, que passou anos sem poder dar a sua versão dos factos por ter assinado um contrato que a impedia de falar, é consultora deste projeto que pretende contar um lado propositadamente ignorado.

O elenco conta com Beanie Feldstein como Lewinsky, Clive Owen no papel de Bill Clinton e Edie Falco no de Hillary Clinton.

13 de setembro: “Scenes From a Marriage”

HBO

Se há estreia obrigatória, é esta. Jessica Chastain (“00:30 A Hora Negra”) juntou-se ao elenco poucos dias antes de arrancarem as gravações (substituindo Michelle Williams, que teve de desistir devido a um conflito de agenda) e é simplesmente impossível imaginar outra atriz no papel de Mira. A contracenar com ela está Oscar Isaac (“Ex Machina”) e os dois guiam os espectadores por uma intensa minissérie de cinco episódios sobre um casamento a desmoronar-se. Amor, ódio, ciúmes, indiferença, pertença, monogamia, desejo — tudo junto parece uma esgotante sessão de terapia que nos agarra ao ecrã graças aos diálogos criados por Hagai Levi (“Terapia”, “Our Boys”)

A história não é nova, é a adaptação de um projeto de 1973, de Ingmar Bergman. Porém, muita coisa teve de ser reescrita para fazer sentido para este casal norte-americano contemporâneo (mas que pode, também, dizer-nos muito a cada um de nós).

12 de setembro: “American Rust”

Showtime

“American Rust” ainda não tem data de estreia anunciada em Portugal mas ela vai chegar e é bem provável que seja uma das melhores dos próximos meses (por isso, decore o nome). Também é possível que faça lembrar um sucesso recente, “Mare of Easttown”, com Kate Winslet. É que aqui Jeff Daniels é Del Harris, um polícia dos confina do estado da Pensilvânia que vai ser confrontado com o dever da profissão e a lealdade à família quando vê o filho envolvido num homicídio. O elenco conta ainda com Maura Tierney (“The Affair”).

17 de setembro: “The Morning Show”

Apple TV+

Elas estão de volta e, a julgar pelo trailer, a segunda temporada de “The Morning Show” vai ser tão (ou mais) explosiva do que a primeira. Alex Levy (Jennifer Aniston) e Bradley Jackson (Reese Witherspoon) ora se odeiam e querem o trabalho uma da outra, ora se unem contra regras e ambientes tóxicos. É nesse momento que se tornam mais poderosas a quebrar barreiras num mundo onde os homens e os comportamentos sexistas continuam a mandar.

Estamos em Nova Iorque e tudo se passa nos bastidores de um programa de televisão matinal, que há bem pouco tempo perdeu a sua estrela, Mitch Kessler (Steve Carell), caído em desgraça depois de inúmeras acusações de assédio sexual. Alex e Bradley têm de limpar os cacos, fazer subir audiências e mostrar quem manda. Pelo meio de tanto drama destaca-se uma das melhores personagens da história. Billy Crudup é Cory Ellison, um executivo inconveniente que não tem noção dos limites.

17 de setembro: “Sex Education”

Netflix

Com mais de ano e meio de intervalo, “Sex Education” apresenta-se ao serviço com oito novos episódios. A terceira temporada regressa à escola secundária de Moordale, onde vários adolescentes continuam interessados em absorver tudo o que uma clínica de terapia sexual pode ensinar.

Gillian Anderson é a terapeuta sexual, Jean Milburn, e mãe de um miúdo, Otis (Asa Butterfield), tão tímido que nem parece filho dela. A série é leve, espirituosa e tem personagens diversas.

24 de setembro: “Foundation”

Apple TV+

Ficção científica, um mundo distópico e a guerra pelo poder que é igual em qualquer lugar ou era. “Foundation” baseia-se numa trilogia com o mesmo nome de Isaac Asimov e segue os humanos que estão espalhados por vários planetas e que têm de obedecer às regras de um Império Galático.

A série foi criada por David S. Goyer (argumentista de “O Cavaleiro das Trevas”, “Batman — O Início”), Jared Harris (“Mad Men”) lidera o elenco e os três primeiros episódios foram realizados por Rupert Sanders (“A Branca de Neve e o Caçador”). Há dez para ver no total.

24 de setembro: “Midnight Mass”

Netflix

Depois de “Maldição de Hill House”, o criador da série guardou outras histórias assustadoras para contar e um ou outro truque de terror psicológico. Mike Flanagan é o responsável por “Midnight Mass”, cuja narrativa se passa numa ilha que começa a acumular estranhos eventos sobrenaturais exatamente na mesma altura em que um novo padre se instala na região.

Há sete episódios para ver e, sobretudo, um aviso aos mais sensíveis: não veja “Midnight Mass” sozinho e prepare-se para alguns gritos.