815kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

A Juventus quer antecipar o pós-Ronaldo mas ainda nem sabe o que isso é: perdeu com o Nápoles e leva um ponto na Serie A

Este artigo tem mais de 2 anos

Clube de Turim quer antecipar para este ano os planos pós-Ronaldo que estavam desenhados para 2022 — mas ainda nem sabe o que é o pós-Ronaldo. Juventus perdeu com o Nápoles e leva um ponto na Serie A.

SSC Napoli v Juventus - Serie A
i

Koulibaly marcou o golo da vitória do Nápoles já nos últimos instantes da partida

SSC NAPOLI via Getty Images

Koulibaly marcou o golo da vitória do Nápoles já nos últimos instantes da partida

SSC NAPOLI via Getty Images

Cristiano Ronaldo tinha acabado de marcar dois golos em Old Trafford, empurrando o Manchester United para a goleada que impôs ao Newcastle e que catapultou a equipa de Solskjaer para a liderança  da Premier League. Enquanto o avançado português ainda sorria para os exultantes adeptos ingleses no relvado do Teatro dos Sonhos, já a Juventus estava no túnel de acesso ao Estádio Diego Armando Maradona para tentar conquistar a primeira vitória da época perante o Nápoles.

Depois do empate contra a Udinese e a derrota contra o Empoli nas primeiras duas jornadas da Serie A, a equipa de Massimiliano Allegri estava no 13.º lugar da classificação, com apenas um ponto. Mas o treinador italiano, que foi dos primeiros a confirmar que Ronaldo não iria ficar em Turim, não acredita que a saída do português tenha assim um efeito tão transcendente no futuro da Juventus, continuando a desvalorizar a transferência. “Ele não queria jogar mais na Juventus, por isso, voltou para o United. Teria sido a sua última temporada na Juventus por isso antecipámos o que teríamos de fazer no próximo verão. O Cristiano passou três anos fantásticos na Juventus e desejamos-lhe o melhor mas a vida continua. Não gosto de pensar no que poderia ter acontecido, na vida é preciso ser prático. Aqui na Juventus o coletivo sempre conquistou troféus, não foi apenas um único jogador de futebol. Temos essa característica no nosso ADN, feito de amor próprio e sacrifício”, explicou o técnico.

Sem vitórias, sem Ronaldo, com claque insatisfeita e um treinador com poucas opções. Como vai a Juventus pós CR7

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

E a ideia de Allegri, de que a Juventus antecipou o plano pós-Ronaldo que estava preparado para daqui a um ano, foi também confirmada pelo diretor desportivo Federico Cherubini. “O clube é mais importante do que tudo e estará sempre além dos jogadores. Por isso, foi justo focarmo-nos no futuro e não reter o Cristiano. A escolha que enfrentámos não foi ‘como é que vamos substituí-lo?’ mas sim ‘Ronaldo sai, vamos pensar em antecipar uma parte do futuro’. A três dias do fim do mercado, corremos o risco de que um jogador como [Moise] Kean não estivesse disponível. Acusam-nos de não estarmos preparados para substituir o Cristiano mas há momentos que não podemos controlar. Nem todos os jogadores esperam até 31 de agosto para saber se o Ronaldo sai ou fica. A gestão do caso Ronaldo, a 28 de agosto, não foi agradável. Se tivesse acontecido um mês antes teria sido melhor para todos”, disse Cherubini em entrevista ao Tuttosport, sublinhando a ideia de que Moise Kean não é um “substituto” do português porque Ronaldo “não é um jogador substituível”.

Este sábado, contra o Nápoles, Massimiliano Allegri abdicou de vários jogadores habitualmente titulares que estiveram ao serviço das respetivas seleções e Danilo, Alex Sandro, Bentancur, Cuadrado e Dybala não faziam parte da convocatória, tal como o lesionado Chiesa. Assim, no onze, a Juventus lançava Morata, Kulusevski e Bernardeschi no ataque, Rabiot, Locatelli e McKennie no meio-campo e a experiente dupla Bonucci/Chiellini no centro da defesa, com o reforço Moise Kean já a marcar presença no banco de suplentes. Do outro lado, o português Mário Rui era titular na esquerda da defesa da equipa de Luciano Spalletti.

O Nápoles teve a primeira oportunidade da partida, com Politano a cabecear por cima da trave depois de um cruzamento de Insigne (1′). O conjunto napolitano começou claramente melhor, com muita presença no meio-campo adversário e sem permitir grandes espaços à Juventus, mas a equipa de Allegri só precisou de uma oportunidade para abrir o marcador. Manolas cometeu um erro enorme numa zona muito recuada, Morata aproveitou e conduziu em direção à baliza, acabando por conseguir bater Ospina (10′).

A equipa da casa sentiu o golo sofrido contra a corrente do jogo mas voltou a recuperar a superioridade, empurrando a Juventus para o próprio meio-campo e dominando por completo em relação à posse de bola e à presença em zonas adiantadas. Politano teve uma dupla oportunidade num lance em que rematou duas vezes, primeiro contra Locatelli e depois para fora (22′), mas a verdade é que os bianconeri iam conseguindo evitar verdadeiras ameaças de empate e eram a equipa mais perigosa junto da baliza adversária. Numa jogada algo isolada, Kulusevski apareceu na esquerda da grande área a responder a um cruzamento de Morata e obrigou Ospina a uma defesa apertada (43′), com a defesa do Nápoles a mostrar-se muito tremida e desorganizada sempre que era chamada a bloquear as investidas rápidas de Morata, Kulusevski e Bernardeschi.

No arranque da segunda parte, Luciano Spalletti tirou Elmas, que já tinha um cartão amarelo, e lançou Adam Ounas. A lógica do primeiro tempo manteve-se e a Juventus oferecia toda a iniciativa ao Nápoles, que continuava a controlar o jogo dentro do meio-campo adversário mas também prolongava a dificuldade para criar oportunidades de golo. Se era claro que a ideia da equipa de Massimiliano Allegri era defender bem e resguardar a vantagem magra até ao apito final, também era claro que essa ideia poderia cair por terra e tornar-se venenosa se os napolitanos chegassem ao empate. Algo que, ainda antes da hora de jogo, acabou por acontecer.

Insigne tirou o pontapé perfeito no vértice esquerdo da grande área, em jeito e para o poste mais distante, e Szczęsny falhou por completo a abordagem ao lance ao tentar agarrar a bola — soltou-a e permitiu a recarga de Politano, que quase sem ângulo conseguiu atirar para dentro da baliza e empatar a partida (57′). Allegri reagiu ao golo sofrido com uma substituição, tirando Luca Pellegrini para colocar De Ligt, e McKennie ficou desde logo muito perto de restaurar a vantagem bianconeri com um remate rasteiro e ao lado (59′). No mesmo minuto, Insigne apareceu na grande área e forçou Szczęsny a uma defesa apertada, deixando a prova de que a partida estava finalmente aberta.

Spalletti tirou Politano a menos de 20 minutos do fim, para lançar Lozano, e ainda foi forçado a retirar Insigne — que estava claramente a ser o melhor elemento da equipa –, já que o internacional italiano ficou magoado a bater um pontapé de canto e teve de ser substituído por Zielinski. Allegri respondeu com Aaron Ramsey, que rendeu McKennie, ofereceu a estreia a Kean por troca com Morata e viu o jovem italiano ser mais do que responsável pelo golo da vitória do Nápoles: canto batido na esquerda, Kean cabeceou para a própria baliza, Szczęsny ainda evitou o autogolo mas não conseguiu responder à recarga de Koulibaly (85′), que colocou a equipa napolitana finalmente a vencer depois de ter estado por cima da partida durante todo o tempo.

O Nápoles somou a terceira vitória em três jornadas na Serie A e conseguiu, graças a um erro de Moise Kean e ao oportunismo de Koulibaly, carimbar três pontos totalmente merecidos por ter sido sempre superior e manter a liderança. Já a Juventus voltou a perder, continua sem ganhar na Serie A e leva apenas um ponto em três partidas no Campeonato. Allegri, Cherubini e companhia querem antecipar um pós-Ronaldo que tinha sido planeado para 2022 — mas continuam sem sequer saber o que é o pós-Ronaldo.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos