A percentagem de pessoas acima dos 70 anos que consegue produzir anticorpos após vacinados contra a Covid-19 é menor do que para aqueles que têm até 69 anos. A conclusão é de um estudo do Algarve Biomedical Center com a Fundação Champalimaud para o Ministério do Trabalho, Solidariedade e da Segurança Social (MTSSS).

Das mais de cinco mil pessoas totalmente vacinadas envolvidas no estudo (2.303 funcionários e 2.871 utentes), foi possível verificar, no testes serológicos (de deteção de anticorpos contra o SARS-CoV-2) realizados em agosto, que 78,6% dos funcionários tinha produzido anticorpos contra 46,2% dos utentes. “É uma diferença estatisticamente significativa e altamente considerável entre os dois, mas este dado precisava de ser trabalhado de outra forma para se compreender melhor”, avisou.

Há uma diminuição abrupta dos anticorpos em pessoas com mais de 70 anos que tenham tido duas doses de vacina e quatro meses após a vacinação completa. Contrariamente, as pessoas que tiveram Covid-19 e que receberam uma dose de vacina mantêm níveis altos de anticorpos ao longo de todo o tempo”, anunciou o responsável do estudo do Algarve Biomedical Center, que foi apresentado em Viseu.

Ao Observador, Nuno Marques explicou que não se trata de uma diminuição individual, uma vez que cada pessoa fez um único teste (e não foi estudada ao longo de vários meses), mas de uma diferença significa entre grupos de pessoas.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.