Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A UEFA castigou de forma pesada a Inglaterra pelo que se passou na final do Euro 2020, frente à Itália, que acabou por se sagrar campeã. Durante a tarde desse 11 de julho passado, viveram-se situações caóticas e violentas nas imediações e mesmo dentro do Estádio do Wembley, com várias pessoas a conseguirem furar a barreira de segurança e entrar dentro do recinto. Assim, a equipa inglesa foi castigada com dois jogos à porta fechada, sendo que um deles está suspenso durante dois anos.

O Comité de Ética e Disciplina da UEFA foi claro ao dizer que o castigo é devido “à falta de ordem e disciplina dentro e à volta do estádio”. Também por isto, multou a Federação Inglesa de Futebol (FA) em 100 mil euros.

“Embora desapontados, reconhecemos a decisão da UEFA. Condenamos o comportamento terrível dos indivíduos responsáveis pelas cenas dentro e à volta do Estádio de Wembley na final do Euro 2020. Lamentamos muito que alguns deles tenham conseguido entrar no estádio. Estamos determinados em conseguir que isto nunca mais aconteça, pelo que pedimos uma revisão independente do que aconteceu. Continuamos a trabalhar com as autoridades para ajudar nos esforços encetados para agir contra os responsáveis e fazê-los responder”, disse a FA em comunicado.

Confrontos com polícia, invasão sem bilhetes, ruas com garrafas a voar e até um adepto nu: o que se passou nos arredores de Wembley?

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A federação inglesa já tinha sido multada em cerca de 30 mil euros após a meia-final do Euro 2020, frente à Dinamarca, por comportamento dos adeptos dentro do estádio, com o uso de lasers ou os assobios durante o hino dinamarquês, algo que se repetiu na final perante o hino italiano. O arremesso de objetos e invasões de campo também estavam no rol de “ofensas”.