806kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Alice Munro (1931-2024): a preciosidade dos dias banais

Não precisou de ir ao épico, bastou-lhe o quotidiano. Alice Munro, que recebeu o prémio Nobel da Literatura em 2013, morreu aos 92 anos. Antes engrandeceu a prosa curta de forma preciosa.

GettyImages-835621626
i

Ao ler Munro, o leitor depara-se com a vida real. Não é preciso inventar um conflito que ponha uma nação em causa. Em vez disso, é o próprio correr da vida, por ter gente lá dentro, que cria a literatura

PA Images via Getty Images

Ao ler Munro, o leitor depara-se com a vida real. Não é preciso inventar um conflito que ponha uma nação em causa. Em vez disso, é o próprio correr da vida, por ter gente lá dentro, que cria a literatura

PA Images via Getty Images

Nascida no dia 10 de Julho de 1931 em Wingham, na província de Ontario, no Canadá, Alice Munro viria a notabilizar-se pela escrita de contos. Foi essa escrita, aliás, que lhe valeu, para lá do Nobel, o prémio PEN de Excelência, em 1997, o Man Booker International Prize (2009), três prémios Governador Geral do Canadá e dois prémios O. Henry do conto.

Considerada mestre do dito género, até pela Academia Sueca, a autora estudou Jornalismo e Inglês na Universidade de Western Ontario, vindo a interromper os estudos quando casou, em 1951. Daí até à primeira publicação passaram muitos anos: em 1968, lançou às estantes Dance of the happy shades. Foi o início de uma obra impactante, que já aí deixava bases sólidas para o que viria. E o que veio foi uma obra de corpo sólido, perene, influente. Contados os livros, temos catorze volumes de contos originais e oito compilações de dispersos.

Morreu a escritora canadiana Alice Munro, galardoada com o Nobel da Literatura em 2013. Tinha 92 anos

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A produção de Alice Munro parte de acções em pequenas localidades, através das quais a autora escrutina e disseca as relações entre habitantes, não raras vezes pegando nos conflitos intergeracionais e na moral socialmente imposta que impõe comportamentos. É, aliás, o choque com isto que vai criando o âmago de cada conto, sempre partindo de um aparento fogo-fátuo que compõe o dia-a-dia.

Ao ler Munro, o leitor depara-se com a vida real. Não é preciso inventar um conflito que ponha uma nação em causa. Em vez disso, é o próprio correr da vida, por ter gente lá dentro, que cria a literatura – cria, só pelo movimento, as questões existenciais que universalizaram a autora.

A prosa de Munro é eficaz e limpa, tecendo-se com frases curtas que deixam o leitor em suspenso, num ritmo de coisa viciada. Para o leitor, sobra a tensão pura, que marca a densidade. Foi assim que a autora recebeu o Nobel sem se meter na empreitada de um romance. Não foi preciso. Bastou-lhe — e não é coisa pouca — ser a “mestre do conto contemporânea”, para usar a expressão da Academia Sueca, essa que sublinhou o que importa: os contos que focam “a fragilidade da condição humana”, a “narrativa afinada” e o “realismo psicológico”.

GettyImages-502512521

Alice Munro mostrou o humano perante a condição, rompendo dogmas, criando incertezas, inventando incoerências (a autora aqui fotografada na década de 60)

Toronto Star via Getty Images

A vida a passar como é costume, e a capacidade de apanhá-la, resultaram no primeiro Nobel da Literatura a chegar ao Canadá. Essa ideia do quotidiano, na obra de Munro, é não só importante como diz tudo. Ali a autora vê a vida de todos os dias, e escrutina-a, expondo-a, de forma a abrir em flor o cerne da vida para quem lê. Ao longo de décadas de escrita, não foi preciso inventar Sandokan nem dar a volta ao mundo em oitenta dias para ganhar o interesse dos leitores.

O cerne – a literatura – estava no quotidiano, no corriqueiro, e foi isso que elevou a autora: ter pegado em gente que não procurava a grandiosidade ou a redenção da arte e ter sido capaz de mostrar a beleza que há nessa banalidade, nessa existência devagar que há na vida de todos os dias, que não marca jornais, que não muda o mundo – mas que é, convém dizer, o mundo como é, cuja essência aparece depurada por uma prosa seca.

Assim, o conto resulta sempre quase em fórmula – tudo é conciso, tudo vai ao osso, tudo garante o baque como efeito. É que, ao partir do que parece quase nada, a autora lança os holofotes sobre isto de existir e ser pessoa – por um lado, as pessoas acomodam-se; por outro, não deixam de ser mais do que a soma das suas circunstâncias. Frequentemente, as reviravoltas permitem o enredo, já que o hábito das personagens esbarra com um desvio. É aqui que a autora voa, mostrando o humano perante a condição, rompendo dogmas, criando incertezas, inventando incoerências. O quotidiano aparece, assim, como tudo o que existe – em vez de um golo na final da Champions, há a dor da separação, a esperança ou o medo do começo, a nostalgia atada à perda, o conforto de um regresso. Tudo é tensão e beleza no mesmo movimento.

Frequentemente comparada a Tchekov, a autora fez o que fazem poucos: ganhou leitores em todo o mundo sem se ter metido no romance. Para trás, fica a sua obra contundente – essa que vai ao fundo das personagens e o expõe sem tréguas para quem lê. Em Portugal, convém acrescentar, a sua obra está publicada pela Relógio d’Água.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€ Apoiar

MELHOR PREÇO DO ANO

Ao doar poderá ter acesso a uma lista exclusiva de benefícios

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€

MELHOR PREÇO DO ANO