Olá

834kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

GettyImages-1727488926
i

A Disney assinala esta segunda, 16 de outubro, 100 anos mas as comemorações já decorrem há vários meses

AFP via Getty Images

A Disney assinala esta segunda, 16 de outubro, 100 anos mas as comemorações já decorrem há vários meses

AFP via Getty Images

100 anos da Disney. A visão de um animador tornou-se num império global que tem cada vez mais desafios

Ao longo de um século de vida, a Disney transformou-se numa das maiores empresas do mundo, com uma presença que vai muito além do cinema. O que reserva a bola de cristal à Disney?

    Índice

    Índice

No ano em que chega à marca do centenário, a Disney, que começou como o sonho de um animador até se tornar em um império do entretenimento, é uma empresa em transformação e com desafios ao virar da esquina. Os últimos anos têm sido desafiantes para a gigante, que até teve de fazer regressar da reforma o executivo Bob Iger, que voltou no ano passado ao cargo de CEO.

A Disney nunca teve um portefólio de conteúdos tão grande como hoje em dia, construído através de aquisições estratégicas, da 21st Century Fox até à Lucasfilm. Mas também nunca teve tantos desafios. No mundo do streaming, onde entrou em 2019, teve de ganhar terreno à Netflix e ainda enfrentar um mundo crescente de concorrentes. Depois surgiu a pandemia de Covid-19, que levou à paragem de consideráveis fontes de receita, como os parques de diversões e os cruzeiros. E, quando o mundo dava sinais de estar a voltar às tendências pré-pandemia, surgiu uma guerra na Ucrânia, que trouxe pressão aos preços da energia, e ainda a escalada da inflação.

O resultado? Uma empresa que passou a falar com frequência sobre a necessidade de se reestruturar e aumentar a eficiência. Aos 100 anos de vida, o que faz mexer a máquina Disney e que fatores é que se podem tornar uma “pedra” na engrenagem?

Uma empresa em mudança e a dificuldade de encontrar um novo CEO

A Disney assinala 100 anos de vida em modo de reestruturação. O que até levou ao adiar da reforma de Bob Iger. Em 2020, o gestor decidiu sair do cargo de CEO, sinalizando que era hora de se reformar, ainda que, de acordo com o New York Times, o afastamento não tenha sido feito de ânimo leve – afinal, durante os 15 anos em que esteve no cargo, de 2005 a 2020, Iger adiou três vezes a saída do cargo de CEO. Passou o testemunho a Bob Chapek, em fevereiro de 2020, mas as críticas à gestão do sucessor e algumas controvérsias no campo político, levaram a uma nova dança das cadeiras.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Chapek foi afastado em novembro de 2022 e Iger regressou, por tempo limitado, prevendo precisar de dois anos para pôr ordem na casa. Foi-lhe pedido pelo conselho de administração que “definisse uma direção estratégica para um crescimento renovado e para trabalhar de perto com o conselho para encontrar um sucessor (…)”. No entanto, os planos de reestruturação da companhia parecem precisar de mais tempo e, em julho, a Walt Disney anunciou que Iger, com 72 anos, vai manter-se no cargo por mais dois anos, até 2026.

O veterano arregaçou as mangas e rapidamente começou a delinear o plano de reestruturação da Disney, focado na redução de custos, com a ambição de eliminar gastos de 5,5 mil milhões de dólares, nomeadamente através do corte de 7 mil empregos nas várias empresas do grupo, e a vontade de fazer com que o negócio do streaming se torne rentável.

Na última apresentação de resultados, no início de agosto, Iger fez um ponto de situação. “Nos oito meses que passaram desde o meu regresso, fizemos uma transformação sem precedentes na Disney”, declarou aos analistas, garantindo que a empresa fora “completamente reestruturada”. E assumiu: a “criatividade voltou ao centro do negócio”. Embora “ainda haja muito a fazer”, sublinhou a confiança de que “a excelência criativa e as marcas e franquias populares” seriam suficientes para colocar a gigante numa trajetória de sucesso financeiro.

Bob Iger foi CEO entre 2005 e 2020 e regressou em 2022 à empresa

Drew Angerer/Getty Images

A estratégia da Disney assenta em duas grandes frentes: o portefólio de conteúdos (é dona da 21st Century Fox, ABC, Lucasfilm, Pixar e Marvel) e a área de experiências, onde se contam os parques de diversões, na Florida, Paris e Xangai, e ainda o negócio de cruzeiros. E, nesses pilares de estratégia, uma economia que leve os consumidores a reduzir gastos com entretenimento, como as idas ao cinema e a parques de diversões, pode ser penalizadora. Mesmo com um CEO confiante, a empresa revelou um prejuízo de 460 milhões de dólares no trimestre terminado em julho, contra um lucro de 1,41 mil milhões de dólares no período homólogo.

O CEO salientou o crescimento das receitas nos parques de diversões como um todo (aumento de 13% para 8,3 mil milhões), mas também notou a tendência de abrandamento das visitas e reservas de hotéis no Disney World, na Florida. No entretenimento, salientou a necessidade de colocar o Disney+, o serviço de streaming, a ser sustentável e admitiu o “desempenho desapontante” de alguns filmes em que a gigante depositava esperanças, como o de animação “Elemental” ou o “Indiana Jones e o Marcador do Destino”.

Encontrar um sucessor para assumir as rédeas da empresa, uma das tarefas que trouxe Iger de volta à cadeira do poder, estará também a revelar-se mais difícil do que era esperado. Há pouca informação sobre estes planos e, pelo meio, a Disney ainda ficou sem um dos seus rostos mais conhecidos na equipa de executivos. Em junho, Christine McCarthy, diretora-financeira, abandonou o cargo, após mais de duas décadas na empresa do rato Mickey.

A justificação? Aos 67 anos, vai tirar uma “baixa médica por questões familiares”. “É uma das executivas financeiras mais admiradas da América e o seu impacto na Walt Disney durante estes 23 anos de serviço dedicado não pode ser exagerado”, disse Bob Iger numa nota de imprensa. A veterana da Disney, que passou a ser uma conselheira estratégica, ainda não foi substituída. Kevin Lansberry, um dos nomes da equipa de McCarthy, é o diretor financeiro interino.

Disney+ startscreen on  mobile phone. Disney+ online video, content streaming subscription service. Man holds his smartphone up and looks at disney plus

Bob Iger quer que o serviço de streaming Disney+ se torne rentável em breve

Getty Images

Os desafios do streaming e a caça à partilha de contas

Em 2019, a Disney decidiu entrar no negócio do streaming, uma movimentação natural para uma empresa com um portefólio e propriedade intelectual destas dimensões. Primeiro, testou os Estados Unidos da América e só mais tarde arrancou para a expansão noutros mercados, nomeadamente a Europa.

Durante a pandemia, com o mundo confinado, o Disney+ passou por uma expansão considerável da base de utilizadores, também fruto da entrada em vários países. Até que, com os consumidores a tentar cortar nas despesas, começou a ver os números de subscritores a recuar. Em agosto, revelou uma queda de 7,4% nos utilizadores para 146,1 milhões – principalmente devido ao tombo nas subscrições Disney+ Hotstar. Na altura, foi justificado que uma boa parte deste fenómeno se devia à perda de direitos dos jogos da liga indiana de críquete.

Bob Iger reconheceu que a Disney conseguiu conquistar muitos utilizadores logo no início, acima até das expectativas, o que levou a que se tenha “encostado a um nível de despesa para alimentar o crescimento de subscritores”. Mas até isso o CEO quer mudar, já que os custos de streaming estão a aumentar consideravelmente. Para levar o serviço de streaming a um nível financeiro saudável quer “priorizar a força das marcas e franquias” e “racionar o volume de conteúdos que são feitos, o que se gasta e os mercados onde se investe”.

A acompanhar estas despesas mais contidas, foi anunciado um aumento de preços no serviço de streaming e a ambição de “explorar ativamente a partilha de contas”. Em Portugal, a subscrição mensal passa, a 1 de novembro, a custar mais dois euros, para 10,99 euros, enquanto a subscrição anual, que permite poupar duas mensalidades, passou de 89,90 euros para 109,90 euros. Iger prometeu mais pormenores sobre a “caça” à partilha de contas no final deste ano. A Disney vai, assim, seguir os passos da Netflix, a primeira a adotar medidas para impedir que os utilizadores partilhem contas.

Com a inclusão de conteúdos da Star e da Hulu, a empresa deixou de ter um serviço composto maioritariamente por conteúdo infantil e familiar, como era na altura do lançamento. E é justamente na Hulu que poderá residir mais uma dor de cabeça para a gigante Disney. A empresa é dona de 67% da Hulu e o resto pertence à Comcast, a dona da NBCUniversal. A Disney sinalizou que está interessada em comprar a participação da Comcast, podendo assumir o controlo total da marca responsável por conteúdos como a distopia “Handmaid’s Tale” ou a comédia “Only Murders in the Building”. Segundo o diretor financeiro interino da Disney, o negócio poderá rondar os 9,2 mil milhões de dólares, mas as duas empresas ainda estão em conversações.

Disney+ sobe preços das subscrições, incluindo em Portugal, e admite “caça” à partilha de contas

As quezílias com o governador da Florida sobre os impostos

Como se já não bastassem os desafios económicos, a Disney ainda tem contratempos políticos — que até já avançaram para a via judicial. Há mais de um ano que está em curso uma batalha entre a Disney e Ron DeSantis, governador republicano do estado e um dos interessados em entrar na corrida à presidência dos Estados Unidos.

Ron DeSantis ameaça subir impostos e taxa à Disney na luta pelo poder administrativo do parque

Primeiro, DeSantis apontou a mira à Disney pelos conteúdos que a empresa está a produzir, que considera serem “woke”. Quando o republicano decidiu criar no estado uma lei que restringe o debate de temas relacionados com a identidade de género e a sexualidade nas escolas, a liderança da Disney criticou a legislação. Depois, DeSantis ameaçou com a cobrança de mais taxas e o fim do estatuto especial da Disney, que lhe dá uma relativa autonomia na zona dos parques.

A resposta foi clara: a Walt Disney, a maior empregadora do estado e responsável por 75 mil postos de trabalho, recorreu à justiça. Ao mesmo tempo, anunciou o fim de um projeto para um complexo empresarial, num investimento avaliado em mil milhões de dólares, que poderia criar mais dois mil empregos, relatou o New York Times. “O estado quer que invistamos mais, empreguemos mais pessoas e paguemos mais impostos ou não”, questionou Bob Iger, numa farpa atirada ao governador republicano durante uma apresentação de resultados da empresa.

Disney abre processo judicial contra o governador da Florida, Ron DeSantis

Passados vários meses, Ron DeSantis diz que já ultrapassou o assunto, mas a Disney não está disposta a aceder ao pedido do governador para que “deixassem cair o processo”. A empresa mudou a estratégia legal e está agora interessada em compensações por alegada violação de acordos entre o governo e a Disney. Resta saber quais são os próximos desenvolvimentos desta saga.

 
Assine um ano por 79,20€ 44€

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Campanha de Verão
Assine um ano por 79,20€ 44€
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Este verão, mergulhe no jornalismo independente com uma oferta especial Assine um ano por 79,20€ 44€
Coutdown campanha de verão Ver ofertas Oferta limitada