Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Carolyn Porco ainda estava a tirar o curso universitário quando se envolveu na missão Voyager, na equipa de imagem. E foi nessa equipa que fez a sua primeira grande descoberta científica. “Senti-me gigante. Naquele momento, era a única pessoa na Terra que sabia daquilo.” Ao mesmo tempo, era detentora de um segredo que não queria partilhar. Curiosamente, a partilha de conhecimento e as palestras para o público tornaram-se, mais tarde, uma parte importante da sua vida profissional.

Depois da missão Voyager, que nos deu a conhecer o nosso sistema solar — e que mudou a vida da cientista planetária —, Carolyn Porco tornou-se líder da missão Cassini, que estudou Saturno e as suas luas e anéis entre 2004 e 2017. Foi neste período que se apaixonou por Encélado, para onde gostaria de enviar uma nova missão. E o que gostaria de encontrar? Vida. Formas de vida no oceano deste satélite natural de Saturno. “Se encontrássemos vida noutro planeta, mesmo que dentro do nosso sistema solar, isso significaria que há vida em todo o lado.”

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.