Caso Manuel Vicente seguiu para Angola, mas o tribunal português não o perdoou /premium

14 Dezembro 2018

Processo relativo ao ex-governante será investigado em Angola, mas os juízes portugueses que condenaram o magistrado Orlando Figueira apontam-no, sem dúvidas, como corruptor.

As suspeitas de corrupção de um magistrado que caíam sobre o ex-vice-Presidente de Angola Manuel Vicente foram entregues às autoridades angolanas para investigação, mas não foi esquecida a sua intervenção no processo que melindrou as relações diplomáticas entre Portugal e Angola. No acórdão que levou à condenação de Orlando Figueira por ter sido corrompido para arquivar processos, o cunho de Manuel Vicente foi várias vezes referidos pelo coletivo de juízes, que deu como provado que foi ele o agente corruptor. O tribunal considera que o fez para limpar a sua imagem na justiça, numa altura em que esperava sair da liderança da Sonangol para assumir um importante cargo político: o de ministro de Estado e da Coordenação Económica — a antecâmara para a vice-Presidência do Governo de Angola, que assumiria em setembro de 2012.

“O facto de estarem pendentes contra si processos de natureza criminal em Portugal e a sua divulgação pela imprensa portuguesa e angolana era prejudicial à sua imagem pública, podendo obstar a que assumisse os cargos políticos pretendidos”, lê-se no acórdão.

Logo no início do documento, o coletivo de juízes faz mesmo uma ressalva: de forma a não quebrar a compreensão do processo em causa, e apesar das “culpas” relativas ao ex-vice-Presidente Manuel Vicente terem sido separadas num processo à parte, manter-se-á a “menção de arguido”. E é nesse sentido que aponta todo o acórdão que condena Figueira pelo crime de corrupção passiva e Paulo Blanco pelo de corrupção ativa. Na ótica do tribunal, Vicente usou o advogado, Blanco, para o acordo de corrupção.

Vicente chegou a ser constituído arguido e acusado de corrupção ativa, branqueamento de capitais e falsificação de documento. Dizia o Ministério Público que tinha corrompido o magistrado Orlando Figueira para que este arquivasse dois processos-crime em que era investigado. A defesa do arguido invocou sempre a imunidade de que gozava pelo cargo político, mas alegou também que o ex-governante nunca fora sequer notificado da constituição de arguido e da acusação. O tribunal, que agora o refere por várias vezes, chegou a recusar que gozasse de imunidade e mandou notificá-lo para ser julgado em Portugal, mas, no dia da primeira sessão de julgamento, acabaria por separar os factos relativos a Manuel Vicente num outro processo — que seriam depois enviados para Angola, para serem julgados em Luanda.

No acórdão conhecido na última sexta-feira, em que Orlando Figueira abandonou a sala de audiências condenado a uma pena efetiva de seis anos e oito meses, enquanto ao advogado Paulo Blanco foi aplicada uma pena de suspensa de quatro anos, só o representante de Manuel Vicente em Portugal (Armindo Pires) saiu absolvido. O tribunal decidiu que, apesar de ser amigo de Vicente há mais de 30 anos, não teve um papel relevante no acordo que levou Orlando Figueira a ser subornado para arquivar dois processos contra o ex-vice-Presidente de Angola. No entanto, o nome do ex-governante foi várias vezes assinalado. E o tribunal não mostra dúvidas de que ele pagou para limpar a sua imagem.

“À luz das regras da experiência comum, e analisando a tramitação dos processos referidos com a prática judiciária habitual, é manifesto que a tramitação ali seguida desviou-se do que é normal e correto, com vista a alcançar um desfecho célere do processo, em prejuízo da investigação e em benefício da vida política de Manuel Vicente”, considerou o coletivo.

Armindo Pires (ao centro) representava Manuel Vicente em Portugal

Os juízes não acreditaram na tese da defesa, que sustentava que, por detrás do contrato assinado por Orlando Figueira, estaria o banqueiro luso-angolano Carlos Silva. E fundamentou a decisão nos pagamentos que o magistrado recebeu em contas do Banco Privado Atlântico Europa, em Andorra, e por via de um contrato com uma empresa angolana, a Primagest, para a qual nunca chegou efetivamente a trabalhar. Os mais de 760 mil euros que recebeu, entende o tribunal, não foram mais do que um pagamento para arquivar duas investigações que corriam contra Vicente em Portugal — e que o podiam afetar nas suas ambições políticas.

“A verdade é que enquanto Manuel Vicente deixou de ser visado nesse inquérito em 2012 e sem que quanto a si fossem realizada quaisquer diligências de investigação, ficando a sua reputação salvaguardada e deixando-o livre para assumir o cargo de vice-presidente ainda nesse ano, como era pretendido e efetivamente veio a acontecer, os restantes [visados no mesmo inquérito] foram alvo de investigação durante mais três anos”, conclui o tribunal.

Figueira ajudou à defesa de EDIMO, a empresa do enteado de Vicente

O tribunal refere ainda que, além das contrapartidas financeiras, que foram pagas em tranches até ao ano de 2014 — e que Figueira justificou sempre com um contrato de trabalho –, foram também oferecidos ao procurador cargos em bancos ligados a Vicente. Primeiro no Millennium BCP, depois no ActivoBank. Mas não só. Os juízes acreditam que o magistrado chegou a fazer serviços jurídicos para o BPAE enquanto trabalhava no BCP. Desta forma, Figueira podia continuar a trabalhar em defesa do próprio Vicente, avançam.

Os juízes referem que a dada altura, já depois de Figueira abandonar a magistratura e trabalhar como advogado, chegou a incompatibilizar-se com o advogado Paulo Blanco. Em tribunal, os dois não chegaram a um acordo na versão do que aconteceu, mas em causa esteve um parecer que terá sido pedido para um processo-crime relacionado com a EDIMO — representada por Blanco e cujos documentos do processo foram apreendidos na casa de Orlando Figueira.

A EDIMO pertencia a Edmilson de Jesus Martins, único acionista e enteado de Manuel Vicente. E foi criada pela necessidade que Vicente teve de transmitir a titularidade das ações que tinha no Banco BIG. Em 2010 esta empresa foi financiada pelo próprio Banco Privado Atlântico, e a minuta desse crédito foi a mesma usada no crédito suspeito atribuído pelo mesmo banco a Orlando Figueira. Nesse documento, que foi analisado em tribunal, encontra-se rasurada uma morada. O tribunal sublinhou o facto de esta pertencer à residência do próprio Manuel Vicente.

Assim, referem os juízes, Orlando Figueira estava a trabalhar no departamento de compliance do Millennium BCP, mas “contribuía para a defesa da Edimo de Manuel Vicente”, lê-se.

“Ficou claro, aliás como já tinha sido referido supra, que o arguido Orlando Figueira prestou colaboração ao BPA, quando já estava no Compliance do BCP em 2013, e encontra-se com o arguido Paulo Blanco a oferecer-lhe um parecer jurídico relativo ao processo da EDIMO. Esta postura do arguido Orlando Figueira é sintomática da promiscuidade que estava estabelecida. Na verdade, o arguido estava no Compliance do BCP e contribuía para a defesa da EDIMO do Manuel Vicente/Edmilson de Jesus Martins”, lê-se no acórdão.

Tribunal desvalorizou testemunho de ex-procurador-geral angolano

No acórdão, que foi assinado por três juízes, não se aponta apenas a Manuel Vicente. O coletivo é bastante crítico quanto às declarações prestadas por carta rogatória pelo então procurador-geral da República angolana. João Maria de Sousa — que também chegou a ser investigado em Portugal, e que foi representado por Blanco — foi arrolado como testemunha por Paulo Blanco e Armindo Pires. Aliás, foi o então procurador-geral da República João Maria de Sousa quem contratou Blanco para advogado do Estado angolano em Portugal.

Carlos Silva, o banqueiro luso-angolano a quem os arguidos apontam o dedo

Por escrito, revelou que, na altura — em setembro de 2011 –, soube que várias entidades angolanas começaram a ser investigadas em Portugal por causa da compra de apartamentos de luxo no Estoril Sol. Indignado com a forma como a notícia correu nos jornais, chegou a mandar uma carta ao Ministério Público português “com um pedido de esclarecimento sobre os objetivos perseguidos”. Considerava, disse ele, que a imagem destas figuras angolanas estava a ser arrasada na praça pública e que a fonte seria o próprio Ministério Público português.

“A existência dos processos e os nomes das pessoas suspeitas foram tornados públicos de forma muito estranha pela imprensa portuguesa, retomada pela imprensa angolana e não só. O modo como as informações extraídas daqueles processos apareciam diariamente na imprensa, sem o mínimo respeito pelo bom nome e até pela presunção de inocência”, referia.

João Maria de Sousa confessou que foi ele quem sugeriu, por isso, a Manuel Vicente que contratasse Paulo Blanco como seu advogado para o defender nesse processo. Mas essa informação não convenceu o tribunal: “Face ao e-mail enviado pelo arguido Armindo Pires ao Manuel Vicente é absolutamente contraditório do afirmado”. Nesse e-mail, “preocupado com a imagem de Manuel Vicente, atenta a proximidade de eleições em Angola e a sua intenção de vir a ser nomeado ministro”, Armindo Pires escreveu:

“No entender dos advogados a quem recorri, nomeadamente Carlos Serafim, bem como Paulo Blanco (introduzido pelo C. Silva) recomenda que trouxesses para cima uma declaração da Sonangol em que declarasses os valores auferidos em salários e prémios de gestão ou outros, se for o caso, assinada por alguém da Sonangol (diretor dos recursos humanos?) (…) Não se deve falar deste assunto por móvel, pode haver escutas. Aqui falamos melhor”.

O ex-procurador-geral da República de Angola descreveu, também, várias reuniões com o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), falando numa estreita relação entre as procuradorias-gerais dos dois países. Esta informação foi, porém, completamente contrariada pela procuradora Cândida Almeida, à data diretora do DCIAP.

A procuradora Cândida Almeida dirigia o DCIAP à data dos arquivamentos. Também testemunhou em tribunal

A magistrada, chamada a testemunhar por ter concordado com os despachos de arquivamento de Orlando Figueira, recusou qualquer ligação mais estreita e recordou que a única vez que falou com o procurador-geral angolano foi na sequência de uma situação em que ele se mostrou incomodado com uma afirmação sua. Mais, numa formação, o responsável acabou por mostrar um diploma que esclarecia que em Angola o procurador-geral depende diretamente do Presidente da República.

Para o tribunal, o facto de existir esta dependência política, e de João Maria de Sousa ter trocado vários e-mails com o agora arguido Paulo Blanco sobre os processos que acabaram arquivados por Figueira, torna o seu depoimento pouco credível. O tribunal considerou mesmo que o seu depoimento serviu para ajudar o ex-vice-Presidente angolano: “É sabido que Manuel Vicente no processo 246/11.6TELSB [Estoril Sol], face às funções governativas que veio a assumir, era um assunto de Estado”, diz o tribunal, escudando-se em declarações dos próprios arguidos em tribunal.

“Tendo em consideração a intervenção do Dr. João Maria de Sousa, no exercício das suas funções de PGR de Angola, no que concerne a gerir os interesses do Manuel Vicente, apontado como n.º 2 na cadeia hierárquica do MPLA, é óbvio que nestas matérias o tribunal tem de dar toda a credibilidade ao depoimento da testemunha dr.ª Cândida Almeida, em detrimento do depoimento prestado por escrito pelo dr. João Maria de Sousa”, lê-se no acórdão.

Manuel Vicente foi presidente da Sonangol, a petrolífera angolana, até finais de janeiro de 2012. Era também vice-presidente do Conselho Geral de Supervisão do Millennium BCP e presidente do Conselho de Administração da sociedade Atlântico Europa, acionista do Banco Privado Atlântico. Por causa disso, mantinha, “há vários anos”, uma relação de amizade com o banqueiro luso-angolano Carlos Silva, concluem os juízes. Carlos Silva acabou por ser um dos nomes mais referidos em julgamento. Os arguidos tentaram sempre convencer o coletivo que era ele o responsável pela saída de Orlando Figueira do DCIAP. O próprio chegou a dizer em tribunal não ter qualquer relação próxima com Vicente. Mas, mais uma vez, isso não abalou a convicção dos juízes.

Refere o coletivo de juízes que a “disponibilidade de Orlando Figueira para deixar a magistratura” terá chegado aos ouvidos de Vicente pouco depois da sua estadia em Angola. Em 2011, Orlando Figueira foi convidado a participar na Semana da Legalidade em Luanda, em representação do Ministério Público, e terá sido nessa altura, num encontro informal, que falou, descontente, sobre os cortes salariais na magistratura portuguesa. Poucos meses depois, em setembro de 2011, o Ministério Público abria uma investigação por suspeitas de branqueamento por parte de algumas empresas que compraram apartamentos no empreendimento Estoril Sol. Uma delas, a Portmill, que o tribunal concluiu estar ligada a Manuel Vicente. Este processo foi atribuído a Orlando Figueira e foi arquivado em tempo recorde, em troca de um pagamento, acreditam os juízes. O outro, também relacionado com Vicente, foi arquivado pela mesma altura — embora tivesse sido aberto há quase um ano.

Vicente foi nomeado ministro de Estado para a Coordenação Económica a 30 de janeiro de 2012. Só a 26 de setembro desse ano tomou posse como vice-Presidente angolano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)