Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Evite as horas de maior calor na praia. Use protetor solar contra as radiações ultravioleta (UVA e UVB). Prefira roupas opacas.” As recomendações estão entre as mais ouvidas e repetidas durante o verão. Ao longo dos anos, a mensagem da necessidade de proteger a pele do sol foi passando e mudou os comportamentos de muitos dos que ignoravam os riscos da exposição solar. Mas e quanto aos olhos? O que fazemos para os proteger dos mesmo perigos? O alerta é da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO), mesmo em cima da época tradicional de férias dos portugueses: os olhos são um órgão sensível e a exposição intensa ou prolongada ao sol pode ter consequências graves na saúde ocular.

Entre os riscos mais comuns, estão as lesões que acontecem num curto espaço de tempo, como uma queimadura. Mas os oftalmologistas alertam, sobretudo, para os riscos associados a uma exposição prolongada, com várias de horas de exposição à radiação, acumuladas ao longo da vida. E a preocupação não é só com a exposição solar, mas também com outras fontes de radiação ultravioleta, como máquinas de solário, de soldadura e lasers.

O Observador reuniu uma lista de riscos da radiação ultravioleta para o olhos — e também para a pele, como o melanoma — e deixa-lhe algumas recomendações dos especialistas. E já que falamos em tumor maligno da pele, causado pela radiação UV, aproveitamos para lhe falar também de outros tipos de melanomas bem menos conhecidos (e menos frequentes), mas que também podem ter consequências graves.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.