Rádio Observador

Deficiência

A lição que nos dá Charlie Gard

Autor

Não podemos ignorar que hoje muitos países, a começar pelos mais ricos e “avançados”, têm políticas estruturadas de incentivo à eliminação sistemática, usando o aborto, de crianças com deficiência.

Charlie Gard — o mundo ficou a conhecer esta criança de onze meses que padece de grave e raríssima deficiência. É difícil conceber uma pessoa mais vulnerável e carente de protecção. Graças ao amor sem medida e à tenacidade dos seus pais, Connie Yates e Chris Gard, a sua sobrevivência mobilizou milhares de pessoas (que se denominaram “exército de Charlie”), fez recolher as necessárias e avultadas quantias monetárias, despertou a atenção da comunicação social, suscitou pareceres das maiores autoridades científicas de vários países, desencadeou a intervenção do Papa Francisco e de políticos tão diferentes como Donald Trump e Matteo Renzi.

É verdade que se ouvem opiniões diversas da parte de pessoas de indiscutível autoridade no plano científico e ético sobre várias questões: saber se Charlie está a sofrer (os pais, secundados por médicos, mas contra o parecer de outros, dizem que não e que não aceitariam que tal sucedesse), saber quais as suas reais hipóteses de sobrevivência, saber se, e em que medida, a terapia experimental proposta será eficaz, saber se, e até que ponto, a ventilação mecânica que o mantém em vida configura uma medida útil e proporcionada (não uma obstinação terapêutica) face à sua situação.

Seja como for, um pressuposto que nestes juízos será sempre inaceitável é o de que a vida de Charlie, por ser marcada pela deficiência, e por mais grave que seja esta, tem menos valor. A eventual justificação para não manter em vida Charlie poderá ser a inelutabilidade da sua morte a breve trecho (inelutável será sempre, como a de qualquer pessoa), mas nunca a menor dignidade, ou a menor “qualidade” (seja qual for o sentido deste expressão) da sua vida. Nenhuma medida, terapêutica ou de simples cuidado deixará de ser útil ou proporcionada apenas porque a vida que assegura será marcada pela deficiência, por mais grave que esta seja. E, perante o valor incomensurável de uma vida humana, de qualquer vida humana, não valem cálculos de custos.

Não há vidas menos dignas, não há “vidas indignas de ser vividas”, a vida não perde dignidade em função de critérios de menor “qualidade”.

São os pais de crianças com a mesma doença de Charlie que conseguiram sobreviver, ou de outras com doenças igualmente graves, que o dizem e testemunham: essas crianças podem ser tão felizes como as outras, porque podem amar e ser amadas, mesmo com todas as suas limitações.

Não podemos ignorar o que se passa hoje em muitos países, a começar pelos mais ricos e supostamente “avançados”: há políticas estruturadas de incentivo à eliminação sistemática, através do aborto, de crianças com deficiência. A Islândia já atingiu o objetivo que a Dinamarca também já se propôs: nenhuma criança com trissomia 21 nasce nesse país, devido ao recurso ao aborto.

Neste contexto, e por contraste, a mobilização em torno da vida de Charlie Gard (cujo desfecho ainda é incerto no momento em que escrevo) dá-nos uma preciosa lição. Cada pessoa tem um valor imenso, é única e irrepetível, é sempre um dom para os seus pais e para toda a sociedade. O mais pequeno, débil e limitado dos seres humanos merece a atenção e a solidariedade de todos. A vida de uma qualquer criança, como a de Charlie Gard, justifica a mobilização de cidadãos anónimos, de jornalistas, de políticos, de cientistas, do mundo inteiro.

Presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Prostituição

Abolicionismo

Pedro Vaz Patto
157

Abolir a prostituição pode ser visto como uma utopia, pois «sempre existiu e sempre existirá». O mesmo se disse da escravatura, mas num e noutro caso estamos perante a redução da pessoa a mercadoria.

Canábis

A droga não se vence com a droga

Pedro Vaz Patto
187

As proibições obviamente não chegam para construir uma sociedade livre de drogas. Mas contribuem para isso, permitindo que o mal se contenha dentro de alguns limites (o que a legalização não permite).

Deficientes

Adorável compromisso de lideranças /premium

Laurinda Alves
355

24 homens e mulheres que gerem 24 das maiores empresas que operam em Portugal assinaram um documento em que se comprometem a reforçar nas suas organizações a empregabilidade de pessoas com deficiência

Deficientes

O Sol, quando nasce, é para todos! /premium

Laurinda Alves
526

Ir à praia e apanhar sol é, para pessoas portadoras de deficiência e/ou com mobilidade reduzida, fonte de bem-estar e saúde. É mesmo uma necessidade básica de saúde dos cidadãos, mediterrânicos ou não

António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)