Rádio Observador

Política

A rentrée dos artistas /premium

Autor
651

O PS oferece-nos os piores serviços públicos de sempre a troco de um crescimento anémico e da maior carga fiscal de todos os tempos. E proclama que este é o melhor dos mundos e assim devemos continuar

 

A arte é coisa imanente,
Não se ensina,
Não se aprende,
Nasce e morre com a gente.

A estrofe transcrita é de António Aleixo, um dos poucos poetas populares dignos desse nome em Portugal, ganhou um novo e inesperado companheiro nesse restrito mas honroso panteão. Rui Rio resolveu reentrar na campanha expondo os seus dotes de poeta popular e suscitando comparações com aquele mestre.

Mas vamos por partes – numa análise fria e desapaixonada, o “poema do Pontal” de Rio é no mínimo uma tristeza, uma revelação de “pobreza Franciscana” levada ao extremo e a exaltação que suscitou resulta apenas da circunstância de Rui Rio não estar no Algarve, mas no deserto. Esse deserto – já aqui o disse mas o decurso do tempo confirma-o, infelizmente, todos os dias – é de ideias, de propostas, de pessoas, de projectos e será também, necessariamente, um deserto de votos, como rapidamente veremos.

Mas a verdade é que, descontadas essas minudências, António Aleixo tem razão – artistas genuínos não nos faltam. Basta atentar na gestão recente do ménage à trois entre António Costa, Catarina Martins e Jerónimo de Sousa para perceber a profusão de artistas assinalável que vai neste país – com cada um deles a competir ferozmente pelo título da maior criatividade, pelo globo de ouro da acrobacia e pelo óscar da pele de cordeiro.

O camarada Jerónimo, algo exangue mas sempre estóico, esforça-se por se demarcar de um Governo que foi e é o seu, envergonhado com os insuficientes “progressos” do “Governo minoritário do PS” e com o fim de ciclo que o seu PCP (se não o PCP tout court) está a vivenciar, num estertor inevitável de um estranho e anacrónico objecto ideológico.

A camarada Catarina, furiosa com os ares de independência do vértice preponderante do tal ménage à trois, deparou-se com a tarefa hercúlea e ingrata de ter de colar um rótulo ao seu partido, procurando espanar o pó da ambiguidade e da indefinição, porque as visitas podem não gostar e a casa tem de estar arrumada para as eleições. Vai daí, atreveu-se a proclamar que “o programa do BE é social-democrata”.

Ficam-lhe bem os ares de seriedade e a pose de Estado, que aparecem em jeito de golpe final sobre o pescoço de Rui Rio, pagando para ver se é verdade que o Bloco pode ultrapassar o PSD em Lisboa. Mas suspeito que a quadratura deste círculo seja um exercício demasiado imaginoso e herético para os aficionados do PSR, da Política XXI e para o camarada Louçã. Ou então não, porque agora vale mesmo tudo, neste mundo artístico.

António Costa, o artista-mor do reino, entretanto, prossegue a sua estratégia de mais-do-mesmo: promove ciúmes encarniçados entre os outros dois vértices do aludido ménage à trois, ao ritmo a que distribui elogios rasgados e puxões de orelhas; deixa a governação do país totalmente entregue ao barco da conjuntura externa, com a populaça distraída com as greves e os pardais; repudia as maiorias absolutas do passado e anseia pela do futuro.

Em resumo: o PCP arrasta-se, com paciência revolucionária, entre o apoio ao Governo e a pulsão contestatária, continuando a propor-se “Libertar Portugal do imperialismo”.

O Bloco, cristão-novo da social-democracia, aprofunda o seu caminho de faz-de-conta, de lobo com pele de cordeiro, que tão bons resultados tem dado, e arvora-se em força política respeitável e respeitadora, enquanto propugna a nacionalização da EDP, da REN e da ANA, entre outras.

E o PS, timonado pela bicefalia Costa-Centeno, oferece-nos os piores serviços públicos de sempre a troco de um crescimento anémico (e inferior ao dos países da UE que connosco competem) e da maior carga fiscal de todos os tempos. E proclama que é este o melhor dos mundos e que é assim que devemos continuar.

A palavra final, devolvo-a a Aleixo:

Ser artista é ser alguém!
Que bonito é ser artista…

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

A culpa é do mexilhão! /premium

Luís Reis
316

Sempre que formos bombardeados por uma qualquer intervenção do PS com a a cartilha de Costa, só temos de repetir, contritos, conformados e de cabeça baixa: Por minha culpa. Por minha tão grande culpa!

Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

PAN

Totalitarismozinho dos anos 40 /premium

José Diogo Quintela

Este discurso da emergência climática dá muito jeito em termos políticos. Em primeiro lugar, tudo o que acontece de mal deve-se ao clima. Logo, a culpa nunca é do Governo, é de toda a humanidade.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)