ADSE

A saúde é um negócio

Autor
  • Luis Teixeira
205

Não há nenhuma evidência de que impedir organizações privadas na saúde melhore os cuidados. Pelo contrário: o monopólio estatal traduz-se geralmente em iniquidade, desperdício e nepotismo.

Entre as ideias que fazem o seu caminho no espaço público quase sem contestação, uma das mais curiosas é a ideia da esquerda de que “a saúde não é um negócio”. É difícil perceber onde vão as pessoas buscar estas ideias, desde logo porque são ideias que não fazem sentido. “Negócio” é uma forma económica para designar uma longa série de operações complexas pelas quais as pessoas alocam e rentabilizam recursos, por vezes a longas distâncias no espaço e no tempo. A saúde é, claro, um negócio, como são negócios todas as actividades humanas com alguma importância. Suponho que aqueles que o negam pretendem de facto dizer que não deve ser um negócio livre. É difícil compreender em que é que a limitação da concorrência pode melhorar um negócio. Não há nenhuma evidência de que impedir organizações privadas na saúde melhore os cuidados. Pelo contrário: o monopólio estatal, com o seu desprezo pelos indicadores objectivos de eficiência (como é o lucro) traduz-se geralmente em iniquidade, desperdício e nepotismo.

O caso mais recente a convocar a fúria da esquerda contra os privados foi o conflito com a ADSE. A ADSE exige a devolução de parte das verbas (38 milhões de euros) cobradas por serviços prestados nos anos de 2015 e 2016 com o argumento de que foi enganada. Os privados dizem que, nessas condições, não estão interessados em continuar a trabalhar com a ADSE. Tal bastou para serem logo acusados de quererem “lucrar” com aquilo que fazem. Isto foi dito por Jerónimo de Sousa sem se rir. Não deixa de ser divertido ver a esquerda, que passa o tempo a dizer que os privados não fazem falta, despeitada como uma noiva abandonada no altar com a intenção dos privados de cancelarem a colaboração com a ADSE. Aparentemente, só o Estado pode recusar acordos.

A acusação que é feita aos privados assenta na disparidade entre os preços cobrados por diferentes prestadores para um mesmo serviço. A acusação é um exercício de descaramento e má fé. A esquerda e o conselho directivo da ADSE pretendem que os privados definam preços concordantes. Mas a cartelização, que é o nome que se dá à concertação de preços entre entidades concorrentes, é geralmente proibida nos países civilizados, incluindo Portugal. É ao cliente, neste caso a ADSE, que cabe comparar preços e negociar com os prestadores condições de serviço que considere aceitáveis. Antes da prestação do serviço e não depois. Era isso que devia ter sido feito e não foi. E não sou eu quem tem de saber como é que isso se faz. Não é o meu trabalho. Há uma série de burocratas que são pagos para isso e que obviamente não fizeram bem o trabalho deles. Quem são?

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aquecimento Global

Uma terra sem amos

Luis Teixeira

Confesso. Não tenho nada contra campanhas pelo ambiente mas tenho contra os movimentos de “jovens”. A última vez que o Ocidente conheceu grandes movimentos de jovens os resultados não foram brilhantes

Extremismo

Fascismo nunca mais!

Luis Teixeira
1.410

A nossa esquerda radical cultiva abundantemente traços claramente fascistas. O ódio à burguesia. O amor pelos movimentos de massas. A criminalização dos comportamentos. A defesa despudorada da censura

Terrorismo

O melro de Rushdie /premium

Luis Teixeira

Foi há 30 anos e Khomeini tinha uma razão mesquinha para lançar a fatwa que condenava Rushdie à morte: precisava de congregar à sua volta as multidões desiludidas com o fiasco da guerra com o Iraque.

Saúde

ADSE: público e privado precisam um do outro

Ricardo Mena

Será essencial perceber se as várias negociações irão representar um ganho de qualidade de atendimento, prazos de resposta e reembolso mais rápidos assim como uma experiência positiva para os utentes.

Política

Três desafios para o 5.7

Alexandre Franco de Sá

Apesar das adversidades políticas, trata-se de despertar a direita acomodada e bocejante contra a hegemonia cultural de uma esquerda que, indisputada no espaço público, dociliza há décadas a sociedade

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)