Rádio Observador

ADSE

A saúde é um negócio

Autor
  • Luis Teixeira
205

Não há nenhuma evidência de que impedir organizações privadas na saúde melhore os cuidados. Pelo contrário: o monopólio estatal traduz-se geralmente em iniquidade, desperdício e nepotismo.

Entre as ideias que fazem o seu caminho no espaço público quase sem contestação, uma das mais curiosas é a ideia da esquerda de que “a saúde não é um negócio”. É difícil perceber onde vão as pessoas buscar estas ideias, desde logo porque são ideias que não fazem sentido. “Negócio” é uma forma económica para designar uma longa série de operações complexas pelas quais as pessoas alocam e rentabilizam recursos, por vezes a longas distâncias no espaço e no tempo. A saúde é, claro, um negócio, como são negócios todas as actividades humanas com alguma importância. Suponho que aqueles que o negam pretendem de facto dizer que não deve ser um negócio livre. É difícil compreender em que é que a limitação da concorrência pode melhorar um negócio. Não há nenhuma evidência de que impedir organizações privadas na saúde melhore os cuidados. Pelo contrário: o monopólio estatal, com o seu desprezo pelos indicadores objectivos de eficiência (como é o lucro) traduz-se geralmente em iniquidade, desperdício e nepotismo.

O caso mais recente a convocar a fúria da esquerda contra os privados foi o conflito com a ADSE. A ADSE exige a devolução de parte das verbas (38 milhões de euros) cobradas por serviços prestados nos anos de 2015 e 2016 com o argumento de que foi enganada. Os privados dizem que, nessas condições, não estão interessados em continuar a trabalhar com a ADSE. Tal bastou para serem logo acusados de quererem “lucrar” com aquilo que fazem. Isto foi dito por Jerónimo de Sousa sem se rir. Não deixa de ser divertido ver a esquerda, que passa o tempo a dizer que os privados não fazem falta, despeitada como uma noiva abandonada no altar com a intenção dos privados de cancelarem a colaboração com a ADSE. Aparentemente, só o Estado pode recusar acordos.

A acusação que é feita aos privados assenta na disparidade entre os preços cobrados por diferentes prestadores para um mesmo serviço. A acusação é um exercício de descaramento e má fé. A esquerda e o conselho directivo da ADSE pretendem que os privados definam preços concordantes. Mas a cartelização, que é o nome que se dá à concertação de preços entre entidades concorrentes, é geralmente proibida nos países civilizados, incluindo Portugal. É ao cliente, neste caso a ADSE, que cabe comparar preços e negociar com os prestadores condições de serviço que considere aceitáveis. Antes da prestação do serviço e não depois. Era isso que devia ter sido feito e não foi. E não sou eu quem tem de saber como é que isso se faz. Não é o meu trabalho. Há uma série de burocratas que são pagos para isso e que obviamente não fizeram bem o trabalho deles. Quem são?

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aquecimento Global

Uma terra sem amos

Luis Teixeira

Confesso. Não tenho nada contra campanhas pelo ambiente mas tenho contra os movimentos de “jovens”. A última vez que o Ocidente conheceu grandes movimentos de jovens os resultados não foram brilhantes

Extremismo

Fascismo nunca mais!

Luis Teixeira
1.410

A nossa esquerda radical cultiva abundantemente traços claramente fascistas. O ódio à burguesia. O amor pelos movimentos de massas. A criminalização dos comportamentos. A defesa despudorada da censura

Terrorismo

O melro de Rushdie /premium

Luis Teixeira

Foi há 30 anos e Khomeini tinha uma razão mesquinha para lançar a fatwa que condenava Rushdie à morte: precisava de congregar à sua volta as multidões desiludidas com o fiasco da guerra com o Iraque.

Saúde

Choque de Gestão na ADSE

Rui Nunes
327

É exigência ética que os recursos que os funcionários e agentes do Estado colocam à disposição do conselho diretivo sejam usados de forma eficiente para garantir a sustentabilidade deste subsistema.

Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)