Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Digo-o sem vergonha nem medo. Ao fim de onze meses de pandemia, tudo o que o Primeiro-Ministro teve para nos mostrar foi a sua incompetência para o lugar que ocupa, em tempos tão conturbados e desafiantes.

A tendência, tipicamente portuguesa, tem sido a de desculpar as falhas e erros crassos com as justificações da mediocridade nacional. Uma pandemia é um desafio para o qual ninguém está preparado. Temos que ser solidários e compreensivos com quem tem que enfrentar desafios tão complicados. Não é tempo para criticar. Tudo bons sentimentos, que, como está à vista de todos, nos trouxeram até onde estamos. O pior país no mundo em percentagem de contágios e o SNS a entrar em colapso.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.